Uma sonda detetou um grande e escuro objeto no fundo do mar de Java, na madrugada desta quarta-feira. A agência nacional indonésia de busca e salvamento (BASARTAS) já confirmou que se trata do AirBus 320-200 que, no domingo, desapareceu dos radares após descolar de Surabaya, a segunda maior cidade do país. Além de destroços e algumas malas dos passageiros, as autoridades conseguiram retirar mais quatro corpos da água — aumentando para sete o número de corpos resgatados.

Alguns dos corpos terão sido retirados da água com roupa. Pelo menos um deles, de uma das assistentes de bordo do voo QZ8501, escreve o The Guardian, tinha um colete salva-vidas vestido. “[Hoje] recuperámos um total de quatro corpos e um deles até tinha um colete salva-vidas”, confirmou Tatang Zaenudin, um oficial da BASARTAS, segundo a agência Reuters. Já o relato de um piloto da Força Aérea indonésia indicou que os outros três corpos estariam de mãos dadas quando foram encontrados. Já foram resgatados sete corpos: três mulheres e quatro homens. O voo da AirAsia, recorde-se, transportava um total de 162 pessoas.

Estas informações já levantaram algumas suspeitas. Por um lado, o colete de salva-vidas que uma pessoa tinha vestido pode indicar que antes de o avião se despenhar no mar, o comandante do AirBus 320-200 poderá ter dado o sinal de emergência aos passageiros e tripulantes. Já as três pessoas que, alegadamente, foram encontrados de mãos dadas, poderão indiciar que alguns passageiros não terão falecido logo com o impacto da aeronave na água.

O avião encontra-se submerso entre os 20 e os 30 metros de profundidade, de acordo com o veiculado pelas autoridades indonésias. “Encontrámos o sítio do acidente. Amanhã [quarta-feira] iniciaremos uma operação por ar e por mar mais alargada”, disse Joko Widodo, presidente indonésia, numa conferência de imprensa transmitida pela televisão. Dezassete helicópteros participaram nas operações de busca desta quarta-feira, além de 67 mergulhadores que foram destacados para o local, com o objetivo de procurar a caixa negra do avião, noticiou a Bloomberg.

Conta oficial de Twitter do Generel Moeldoko, comandante das Forças Armadas indonésias.

Ainda de madrugada, as autoridades indonésia descobriram mais destroços da aeronave da AirAsia, antes da sonda detetar o aparelho no fundo do mar de Java. “O facto de os destroços parecerem estar bastante coesos sugere que a aeronave se possa ter quebrado quando embateu na água, e não no ar”, defendeu Neil Hansford, um ex-piloto e atual diretor da consultora Strategic Aviation Solutions, citado pelo The Guardian.

As operações de salvamento no mar, contudo, foram entretanto interrompidas devido aos ventos fortes e à ondulação acentuada. “Mal o tempo abra, os corpos serão trazidos para Pangkalan Bun”, informou Bambang Soelistyo, chefe da agência indonésia, quando se referiu à cidade com pista de aterragem mais próxima do local onde o avião foi localizado, a sudoeste da ilha do Bornéu.

Tony Fernandes, o presidente da AirAsia, a maior companhia aérea low-cost do continente asiático

O voo QZ8501 da AirAsia perdeu o contacto com o controlo de tráfego aéreo às 7h24 de domingo, cerca de 40 minutos após descolar de Surabaya, na Indonésia, com destino a Singapura. O AirBus 320-200 transportava 162 pessoas, entre as quais 155 era passageiros.