A mãe do jornalista japonês sequestrado pelo Estado Islâmico (EI) fez hoje um apelo perante a imprensa para a libertação do seu filho, coincidindo com o final do ultimato dado pelo grupo para a sua execução. “Por favor, salvem a vida de Kenji”, pediu ao Governo japonês Junko Ishido, mãe do jornalista Kenji Goto, numa declaração proferida no Clube de Correspondentes Estrangeiros de Tóquio.

O apelo é feito no dia em que se cumpre o prazo de 72 horas imposto pelo EI ao Governo do Japão para pagar 200 milhões de dólares (172 milhões de euros) em troca das vidas de Kenj Goto e do empresário Haruna Yukawa. “Membros do EI, por favor, libertem-no, (Kenji) não é vosso inimigo”, disse a mãe.

O Governo do primeiro-ministro Shinzo Abe garante não ter sido contactado pelo Estado Islâmico sobre o caso, mas estima que o ultimato seja cumprido às 14:50 (05:50 em Lisboa), três dias depois de o Executivo ter tido conhecimento da notícia do vídeo. Viúvo de 42 anos, Haruna Yukawa foi sequestrado em meados de agosto do ano passado, enquanto alegadamente dava apoio logístico a um grupo rebelde implicado na guerra civil síria e rival do EI.

Kenji Goto, de 47 anos, tinha-se deslocado ao território sírio controlado pelo EI no início de outubro com a intenção de cobrir o conflito no terreno e deveria ter regressão ao Japão no dia 29 do mesmo mês.