O Commerzbank assinala que “os investidores e o público em geral estão cada vez mais conscientes de que a economia espanhola bateu no fundo e está, agora, no caminho da recuperação“. “No entanto, é frequentemente esquecido que o mesmo se aplica a Portugal“, afirmam economistas do banco de investimento alemão. Ainda para mais, sublinha o Commerzbank, com o Podemos em alta nas sondagens em Espanha, Portugal tem um menor risco político de haver um desvio das “reformas aplicadas nos últimos anos, que estão a dar frutos“.

Em nota enviada aos clientes, a que o Observador teve acesso, o banco alemão assinala que “desde a última primavera, a economia portuguesa tem crescido a um ritmo mais veloz do que a média da zona euro e o desemprego está em forte queda”. “Também à semelhança de Espanha, a recuperação tem sido proporcionada não só pelas exportações mas também pela melhoria da procura interna”, nota o banco.

“Estas tendências positivas devem sobreviver à provável mudança de governo no outono, já que isso teria em Portugal um impacto menor sobre a política económica do que seria o caso em Espanha caso o Podemos subisse ao poder”. Esta é a opinião do Commerzbank, que está confiante de que “as taxas de juro de Portugal devem continuar a cair” no mercado.

O banco alemão considera que “é improvável que a economia mais robusta e a queda do desemprego sejam suficientes para manter o atual governo no poder”, diz o Commerbank, olhando para as eleições legislativas do próximo outono. O Commerzbank, que admite uma coligação entre o Partido Socialista e o CDS-PP tendo em conta “as posições extremistas dos partidos à esquerda [do PS]”, diz que “um novo governo liderado pelo Partido Socialista poderia, sem dúvida, colocar maior ênfase em políticas diferentes, potencialmente tentando suavizar o impacto de alguns cortes na segurança social”.

“No entanto, é improvável que haja uma alteração completa das políticas de reforma do mercado de trabalho ou uma expansão brusca do défice público – algo que parece possível em Espanha caso o Podemos viesse a vencer as eleições”. Aliás, lembra o Commerzbank, “foram os socialistas que pediram a assistência externa e promoveram os primeiros cortes [orçamentais]”.

Um país mais atrativo para investir

Portugal tem beneficiado do “facto de a procura interna ter ressuscitado, como em Espanha” mas, também, está numa situação melhor graças à “maior competitividade nos mercados globais”, o que, por sua vez, se deve ao facto de se ter tornado um país mais atrativo para investir, como o Commerzbank já havia elogiado em outubro.

O país ganha também com fatores como a desvalorização do euro face ao dólar, o petróleo mais barato e os custos de financiamento mais baixos para as empresas. Algo que outro banco de investimento, o holandês, ING, também apontou recentemente. A menor pressão imposta pelos constrangimentos orçamentais do Estado será, também, um fator cada vez mais importante para estimular a atividade no setor privado, diz o Commerzbank.

A travar a recuperação continuará a estar o endividamento elevado de empresas e famílias. Aí, o Commerzbank aponta que, ao contrário do que acontece em Espanha, não está a notar-se uma aceleração do ritmo a que as empresas estão a reduzir o endividamento.

Dívida de Portugal com melhor desempenho do que Espanha

O menor risco político percecionado pelos mercados deverá ter sido uma das razões por que a dívida portuguesa tem tido um desempenho melhor do que a espanhola nos mercados. “Claramente os investidores viram um perigo menor de um contágio da crise grega em Portugal do que em Espanha”. Os juros da dívida de ambos os países têm descido nos últimos meses, mas nas últimas semanas a dívida portuguesa tem tido um desempenho melhor.
juros (1)
O Commerzbank está confiante de que a margem de risco exigida pelos investidores para comprar dívida de Portugal ou Espanha em detrimento da dívida alemã vai continuar a contrair-se, devido às políticas de estímulo do Banco Central Europeu (BCE) e à previsível aceleração do crescimento. Mas o banco alemão vê um potencial melhor para Portugal do que para Espanha, tendo ficado demonstrado que “o facto de Portugal estar a obter grandes somas de dinheiro no mercado, sem qualquer dificuldade, é um sinal forte de que o país ultrapassou os problemas financeiros que o obrigaram a pedir o resgate externo”.