Um oficial da Comissão Europeia, presidida por Jean-Claude Juncker, anunciou esta quarta-feira que não se renegociarão as relações de Inglaterra com a União Europeia (UE) até 2019, altura em que Juncker termina o seu mandato, escreve o jornal inglês The Times. O comunicado surge após o primeiro-ministro inglês, David Cameron, ter prometido fazer um referendo sobre a permanência/saída de Inglaterra na União Europeia em 2017.

Desta forma, mesmo que o referendo se realize em 2017, só dois anos mais tarde é que Inglaterra pode iniciar as negociações sobre a alteração do seu estatuto de membro na UE.

“Nenhuma alteração do tratado da União Europeia está previsto para antes de novembro de 2019, altura em que Juncker termina o seu mandato como presidente da comissão”, afirmou o oficial da Comissão ao The Times.

No verão passado Cameron afirmou, segundo a publicação IBTimes, que iria “reclamar de volta os poderes de Bruxelas”.

Também durante a campanha eleitoral que está a decorrer neste momento em Inglaterra para as eleições legislativas de 2015, o atual primeiro-ministro inglês lançou um “manifesto” do seu partido para “terminar o seu trabalho” de “reconstruir uma Inglaterra que esteja à altura de todos os trabalhadores”, conta a BBC. Uma das promessas do manifesto é precisamente a de fazer um referendo relativo à permanência/saída de Inglaterra da UE antes do final de 2017.