O comissário para os Assuntos Económicos e Financeiros da Comissão Europeia, Pierre Moscovici, reiterou a importância da reunião entre o Governo de Atenas e os ministros das Finanças da zona euro, em meados de maio, para se chegar a um acordo sobre as reformas económicas a serem implementadas. Caso não seja possível chegar a um compromisso naquele que definiu como “um momento decisivo”, a Grécia enfrentará sérios riscos de falência (default), afirmou o comissário esta sexta-feira, segundo o Financial Times.

Pierre Moscovici garantiu que tinha pouca esperança que a Grécia atingisse um acordo com a Comissão Europeia nas negociações que estão a decorrer esta semana. O comissário também admitiu que não havia nenhum “plano B” para a saída da Grécia da zona euro caso não fosse atingido um acordo e aconselhou o governo de Atenas a “acelerar” as negociações atualmente em curso.

Caso seja atingido, o acordo permitirá ao governo de Alexis Tsipras ter acesso a um empréstimo de 7,2 mil milhões de euros vindo dos parceiros da zona euro. Sem este financiamento, a Grécia entrará em processo de incumprimento ao Fundo Monetário Internacional (FMI) em maio ou junho, ou ao Banco Central Europeu (BCE) durante o verão, altura em que vencem os empréstimos concedidos pela instituição à Grécia.