Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

António Sampaio da Nóvoa confirmou esta tarde, 18 de abril, que é candidato à presidência da República. A candidatura vai ser formalizada no próximo dia 29, a seguir às comemorações do 25 de abril, no Teatro da Trindade.

“Confirmo que serei candidato à presidência da República e, tal como tinha dito há cerca de um mês, anunciarei isso antes do final do mês”, disse o ex-reitor da Universidade de Lisboa em declarações aos jornalistas.

Sobre os eventuais apoios que o agora candidato a Belém poderá ou não ter, Sampaio da Nóvoa diz que “antes de ser candidato não se pedem apoios a ninguém”. Admitiu, no entanto, que conversou com “muitas pessoas, dos partidos e fora dos partidos”, embora, faz questão de repetir, não tenha o “apoio de ninguém”: “Primeiro porque não o pedi, não pareceria legítimo antes de haver uma carta de princípios, antes de haver uma candidatura, estar a colocar esse tipo de questões. Portanto, a resposta é não”, explicou aos jornalistas.

Apesar disso, António Sampaio da Nóvoa pode vir a ter o apoio formal de três ex-Presidentes da República, tal como avançou o jornal Sol na edição desta semana. Mário Soares foi o primeiro a assumir esse apoio, o qual deverá ser seguido de Ramalho Eanes e de Jorge Sampaio.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Uma sondagem SIC/Expresso, publicada na última sexta-feira, diz que 16,5% dos inquiridos acham que Sampaio da Nóvoa tem hipóteses de vencer e que 25% dos inquiridos considera que o PS deve apoiar a sua candidatura. Quase metade dos inquiridos (47%), porém, não sabe/não responde se Sampaio da Nóvoa tem perfil para se candidatar a Belém.

Na corrida a Belém já estão o ex-reitor Paulo Morais, ex-número dois de Rui Rio, que apresentou a sua candidatura à presidência na tarde deste sábado, na Invicta. Uma apresentação cheia de críticas ao sistema político português. E Henrique Neto, ex-deputado socialista, o primeiro a avançar, ainda que sem o apoio do PS.

Falta agora saber quando pode avançar o nome ligado à Direita e ao PSD, uma luta que pode envolver Marcelo Rebelo de Sousa e/ou Rui Rio.