O ministro da Economia disse esta sexta-feira que já “não há espaço para negociar” depois do sindicato dos pilotos ter decidido avançar com a greve, que vai durar até dia 10 de maio. No balanço do primeiro dia de greve na TAP, Pires de Lima disse 70% dos voos foram cumpridos e que “não há memória de uma greve convocado pelo sindicato ter este nível de regularidade dos voos”,

Nas instalações da TAP, depois de uma reunião com o presidente da companhia aérea, Pires de Lima fez um balanço positivo do dia, afirmando que “todos os portugueses estão agradecidos aos pilotos que vieram trabalhar no 1º de maio”. O ministro disse ainda que os pilotos que foram trabalhar “não fizeram nenhum favor ao Governo”, nem que isso “significa que estejam a favor da privatização da empresa”.

“Estão genuinamente preocupados com o futuro da TAP. Desejo que os pilotos continuem a trabalhar e que aumente o número de pilotos que venham trabalhar”, disse Pires de Lima.

Quanto à possibilidade de continuar o diálogo com os pilotos, Pires de Lima pôs essa hipótese de parte, afirmando que “não há espaço para negociar”, reforçando que o Governo “respeitou o direito à greve”. Já Fernando Pinto, presidente da TAP, disse que teve “grandes esperanças” que esta greve não se realizasse, já que o encontro com os sindicatos na quinta-feira “foi uma reunião amigável e com bom entendimento”.