Mariano Rajoy continua a ser o melhor candidato do PP para as eleições gerais de dezembro? A pergunta foi feita pela estação radiofónica Onda Cero a Juan Vicente Herrera, um histórico do Partido Popular espanhol que há 11 anos lidera a junta de Castela La Mancha. A resposta, enigmática, mostrou que alguns senadores do PP não gostaram de ver o partido perder todas as maiorias absolutas que tinha nas eleições autonómicas deste fim de semana: “Diria a Rajoy: presidente, olhe-se no espelho e responda a essa pergunta a si próprio“.

O El País escreve esta terça-feira que se formou um cerco a Mariano Rajoy depois das eleições autonómicas, um cerco formado por algumas das figuras mais destacadas do Partido Popular que temem que o recuo sofrido nas eleições de domingo seja um mau augúrio para a votação para o Parlamento, em dezembro.

O jornal espanhol diz que Juan Vicente Herrera pode ser um dos senadores que se pronunciou publicamente sobre este tema, mas está longe de ser o único que questiona a liderança de Mariano Rajoy. Em várias regiões espanholas, como a Comunidad Valenciana e Aragão, os líderes políticos estão a pôr em marcha um debate sobre a renovação interna no partido. Os responsáveis não querem, contudo, que a disputa se transforme num “cisma”, com uma disputa pública da liderança de Rajoy.

Na segunda-feira, Mariano Rajoy fez uma declaração pública a tentar acalmar as hostes, depois do que foi o pior resultado nas eleições regionais nos últimos 24 anos. “Precisamos de manter as nossas atenções no alargamento da confiança que nos foi dada pelos espanhóis”, afirmou Rajoy, reconhecendo que “o PP sofreu uma perda notável de votos”.

Rajoy tem subido nos índices de popularidade graças à recuperação económica em Espanha, que lhe permitiu compensar os vários escândalos de financiamento partidário em que foi envolvido, em especial o Caso Bárcenas.