Jean-Claude Juncker e Alexis Tsipras reúnem-se esta quinta-feira em Bruxelas pelas 14h (13h em Lisboa), para trabalhar no sentido de uma solução para o impasse que se arrasta há meses. A reunião entre os dois responsáveis ocorre depois de estes terem “restabelecido” as suas relações pessoais. Na semana passada, a imprensa escreveu que Juncker ficou furioso pelo facto de Tsipras ter dito no Parlamento de Atenas que tinha sido feito um “ultimato” a Atenas.

A reunião acontecerá à margem da cimeira europeia desta quinta-feira, confirmou Margaritis Schinas, um porta-voz de Bruxelas. O porta-voz garantiu, contudo, que, apesar deste encontro, “o centro de gravidade” nas negociações com a Grécia está nas três instituições, não apenas a Comissão Europeia. Também o BCE e o FMI têm, na qualidade de credores, representantes nas negociações técnicas que têm decorrido em Bruxelas.

Negociações técnicas que, na ótica de Yanis Varoufakis, “já terminaram”. O ministro das Finanças da Grécia disse esta quinta-feira em Atenas que a discussão “já passou para o nível político”. O ministro grego notou que o Estado gastou 66.687,34 euros em viagens de responsáveis e técnicos gregos entre Atenas e Bruxelas.

Este foi, segundo Varoufakis, um “investimento brilhante já que permitiu restabelecer a dignidade do país“.

Quanto à reunião entre Juncker e Tsipras, os analistas do Daiwa Capital Markets já estão a comentar que não esperam quaisquer avanços significativos. Mas trata-se de uma reunião que pode significar um clima mais positivo entre os dois líderes depois de Juncker ter dito que estava “dececionado” com a atuação do primeiro-ministro grego: “Não tenho um problema pessoal com Alexis Tsipras. Mas a amizade, para se manter, tem de respeitar algumas regras mínimas”.