O fundador da Frente Nacional, Jean-Marie Le Pen, em conflito com a filha e presidente do partido francês de extrema-direita, admite candidatar-se contra a candidatura oficial, liderada pela sobrinha, Marion Maréchal Le Pen.

Várias fontes próximas de Jean-Marie Le Pen citadas hoje pelo jornal Le Parisien, entre os quais antigos dirigentes da Frente Nacional (FN), afirmam que o fundador do partido está a ponderar liderar uma lista na região da Provença, nas eleições de dezembro.

Apesar do fundador do partido de extrema-direita, de 87 anos, ter apoiado há três meses a candidatura da sobrinha na região da Provença, “as relações não deixaram de se deteriorar”, explicou uma das fontes.

O mesmo jornal publica igualmente as declarações de um conselheiro da presidente do partido que afirma que a eventual decisão do fundador da FN não passa de uma “iniciativa de um punhado de conselheiros regionais aborrecidos por não terem sido selecionados para as listas de Marion Le Pen” na Provença.

“Trata-se de uma vingança, pressionando Jean-Marie Le Pen para fazer campanha contra ela (Marion Le Pen). Isto não vai longe”, acrescentou.

Jean-Marie Le Pen ainda não fez qualquer declaração sobre a possível candidatura.

O confronto político entre Le Pen e a presidente da FN, Marine Le Pen, prolonga-se desde maio, altura em que o fundador do partido reafirmou que as câmaras de gás dos campos de concentração nazi foram “um pormenor” no contexto da História da Segunda Guerra Mundial.