A Agência de Segurança Nacional (NSA), que tem sido alvo de polémica por espiar chamadas privadas de cidadãos, vai destruir milhares de registos de chamadas, anunciou esta segunda-feira o diretor dos serviços de informação norte-americanos (DNI).

Na sequência do escândalo Snowden, o Senado aprovou uma lei para acabar com as gravações ilegais. Ao abrigo do Freedom Act, aprovado em junho, a NSA foi obrigada a interromper o armazenamento de registos de chamadas telefónicas em massa. Uma enorme incerteza pairou no ar: o que fazer com a enorme quantidade de telefonemas já recolhidos, nomeadamente nos últimos cinco anos? A resposta: serão destruídos brevemente.

A ODNI garantiu em comunicado que, apesar de as gravações não serem destruídas imediatamente, a NSA deixará de ter acesso à base de dados das chamadas a partir de dia 29 de novembro. De momento, nem todos os registos telefónicos poderão ser destruídos, nomeadamente, aqueles que estão envolvidos em processos judiciais. A NSA está a ser processada, por exemplo, pela Wikimedia, grupo que detém a famosa enciclopédia online Wikipédia.

O programa de vigilância de chamadas telefónicas pela NSA começou em setembro de 2001, após o atentado terrorista às torres gémeas.