O Banco de Portugal (BdP) acabou de comunicar que recebeu apenas uma proposta revista, ou seja, melhorada, para a aquisição do Novo Banco até às 17 horas de sexta-feira. As outras duas ofertas foram objeto de clarificações no quadro das discussões com os três potenciais compradores. O BdP esclarece ainda que as ofertas vinculativas entregues a 30 de junho “continuam integralmente válidas”.

O Banco de Portugal vai avaliar “nas próximas semanas as propostas vinculativas apresentadas pelos três potenciais compradores, à luz das regras previstas no caderno de encargos do procedimento de alienação disponibilizado a 4 de dezembro de 2014 no sítio da internet do Fundo de Resolução e no caderno de encargos específico que estabelece o procedimento a seguir na Fase III (Propostas Vinculativas Revistas)”. O documento que foi disponibilizado no site do Fundo de Resolução não é explicita que procedimentos são esses, nem sequer refere a existência de propostas revistas.

Mas o órgão liderado por Carlos Costa não se compromete com uma decisão de venda do Novo Banco. Diz apenas: “Em função desta avaliação, o Banco de Portugal decidirá a melhor estratégia a seguir.”

O Banco de Portugal não identifica qual foi o concorrente que melhorou a sua oferta. Na corrida estão os grupos chineses Anbang e Fosun e o fundo americano Apollo. Ao longo do dia, saíram notícias nos media a dar conta de que os dois concorrentes chineses iriam melhorar as suas ofertas.