Aconteceu na Índia, num pequena vila dirigida por um conjunto de homens, não eleitos, no estado de Uttar Pradesh, próximo de Nova Deli. Depois de um membro da comunidade ter fugido com uma mulher casada, e de casta superior, o conselho da aldeia ordenou que as suas duas irmãs, uma de 23 anos e a outra de 15, fossem violadas e humilhadas publicamente como “castigo” pelo “crime” do irmão. A Amnistia Internacional já apelou às autoridades indianas para travarem a situação e as duas mulheres já solicitaram proteção ao Supremo Tribunal.

As duas irmãs e o resto da família conseguiram fugir da aldeia quando foi conhecida a sentença, no final de julho, e estão, segundo a Al-Jazeera, escondidas desde então em Nova Deli. A mais velha das irmãs chegou mesmo a assinar uma petição da Amnistia, que foi entregue junto do Supremo Tribunal indiano, a pedir proteção para ela, para a irmã e para o resto da família. Conta com mais de 90 mil assinaturas.

A resposta chegou no último dia 18 de agosto, com o Supremo Tribunal a ordenar às autoridades do estado indiano de Uttar Pradesh que respondessem ao apelo da jovem até ao dia 15 de setembro. O problema, segundo reporta a Al-Jazeera, é que um dos irmãos das duas mulheres ameaçadas garante que, desde que a queixa chegou ao tribunal, a comunidade da aldeia de Baghpat “tornou-se ainda mais agressiva”.

Também o pai da família fugida, segundo a Amnistia Internacional, fez queixas junto da Comissão Nacional de Direitos Humanos, apontando o dedo ao “assédio” por parte da polícia e das famílias de casta dominante da aldeia.

O caso da sentença de violação conjunta e humilhação pública para as duas irmãs indianas começou por ser reportado pelo jornal indiano Hindustan Times, que contou a história do irmão, de 22 anos, que há três anos se apaixonou por uma mulher, de 21, obrigada em fevereiro a casar com outro homem de casta superior. Um mês depois do casamento forçado, a mulher conseguiu fugir com o irmão das duas indianas, mas os dois acabaram por desistir da fuga perante evidências de que membros da família estavam a ser troturados.

O jovem de 22 anos terá entretanto sido preso devido a um falso caso de tráfico de droga, e a mulher terá voltado para junto dos pais.