Primeiro recusou apoiar um candidato que seja “um cata-vento de opiniões”, classificação que Marcelo Rebelo de Sousa encaixou como sendo dirigida a si. Depois foi recusando falar de presidenciais, mas agora parece existir uma aproximação da relação entre o primeiro-ministro e o professor, possível candidato a Belém. O Expresso diz que Passos não recusou a possibilidade de um apoio e ao Observador Marcelo sorri com a hipótese.

O semanário (edição impressa) dá conta que as relações têm vindo a ficar menos frias entre os dois e relatam uma fonte próxima do primeiro-ministro que diz que este “nunca mostrou ter sobre o assunto uma posição fechada ou alicerçada no preconceito”, dando a entender que a possibilidade de um apoio a Marcelo não tem a porta fechada.

Marcelo Rebelo de Sousa prefere não comentar, mas em conversa com o Observador não deixa de sorrir com a “boa notícia”. O comentador fica por aqui na reação à notícia de que afinal ainda nem tudo está perdido no que aos apoios do partido diz respeito.

Marcelo é aliás o candidato em melhor posição nas sondagens, mas disse só tomar uma decisão depois das eleições legislativas. Já Rui Rio, também dado como possível candidato deixou em aberto a possibilidade de avançar até mais cedo. Terá falado com Passos Coelho, que não lhe prometeu apoio, mas também não lhe travou as intenções.