Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A Fosun continua a procurar novas oportunidades de investimento e aquisições, mas a prioridade do grupo chinês está orientada para a integração dos negócios e exploração de sinergias ao nível das operações adquiridas.

É a resposta do porta-voz do investidor chinês, dono da Fidelidade, à pergunta dos jornalistas portugueses sobre eventuais alterações na estratégia de expansão rápida. A Fosun foi um dos candidato finais à compra do Novo Banco.

Chen Bo reafirma a estratégia referida pelo presidente não executivo do conglomerado chinês, Guo Guangchang, que revelou o objectivo prioritário de consolidar as aquisições realizadas nos últimos anos, onde se incluem a seguradora Fidelidade e a Luz Saúde.

O porta-voz da Fosun não quis comentar um novo processo de venda do Novo Banco e o eventual interesse do grupo chinês nessa operação. A venda do Novo Banco foi cancelada já na fase final, em setembro, depois de o Banco de Portugal considerar insuficientes as três propostas finais em cima da mesa. Uma delas era da Fosun que recusou melhorar a oferta nesta fase. O concurso para venda deverá ser relançado até ao final do ano e não está afastado um cenário de alienação segmentada de negócios.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

No setor financeiro, a Fosun aposta no desenvolvimento de duas plataformas: o setor segurador e a gestão de ativos e private banking (gestão de fortunas).

O porta-voz adiantou ainda que o abrandamento da economia chinesa não teve impacto na estratégia do grupo para o mercado doméstico, salientando que a classe média chinesa ainda tem reservas de poupança.

Chen Bo esteve em Lisboa esta segunda-feira durante a apresentação de um programa de apoio a startups, que será lançado com a Fidelidade. Na apresentação do Protechting, o presidente da Fidelidade, Jorge Magalhães Correia, sublinhou que a Fosun é um investidor de longo prazo e que está para ficar.

O responsável referiu ainda a necessidade de ultrapassar o gap de comunicação e percepção em relação ao investimento chinês, considerando ainda que a iniciativa Protechting, de promoção de projetos de empreendedorismo nacional tem também essa finalidade.

O programa é uma parceria entre a Fidelidade e a Fosun e pretende apoiar o lançamento de projetos inovadores nos negócios de proteção/prevenção, serviços, saúde e poupança. Estas são áreas desenvolvidas pelos dois grupos e o concurso para startups prevê a possibilidade de integração dos projetos nos negócios da Fosun e da Fidelidade.