Oh, a nostalgia que se sente quando se entra no outono. As árvores vestem-se de tons terra, o cheiro a castanhas invade as ruas e, de repente, temos uma vontade imensa de voltar a vestir aqueles camisolões de lã e beber chá só porque sim. Mas, tal como a nossa roupa muda (bye bye sandálias gladiadoras, até para o ano), também o regime de beleza tem de mudar. Se quer manter a pele imaculada durante os próximos meses, eis o que não deve fazer nunca.

Usar os mesmos hidratantes do verão

As temperaturas frias secam a pele, por isso já tem a desculpa perfeita para adicionar mais produtos à sua rotina, quer de rosto, quer de corpo. Na limpeza de rosto, opte por produtos que, enquanto limpam, também hidratam. E, lá porque tem o corpo tapado, não significa que pode guardar todos os cremes na gaveta para voltar a usar no verão. Embora protegida debaixo da roupa, a pele do corpo tende a secar. Troque os seus produtos à base de água por cremes à base de óleo porque vão criar uma camada protetora na pele e reter mais humidade. 

Não tratar o choque pós-verão

Não é só a nossa cabeça que entra em depressão pós-férias. A pele também. Bem, mais ou menos. Independentemente de ter ido à praia todos os dias ou só ao fim de semana, a pele vai ter danos provocados pelos raios UV: manchas, sardas, rugas, linhas finas e poros maiores, já que o sol e o calor estimulam as glândulas sebáceas a produzir mais sebo. Daí que é importante fazer tratamentos próprios que limpem a pele por dentro e por fora, deixando-a preparada para os meses frios que se avizinham. Se não sabe que tratamentos pode fazer, veja as sugestões que demos neste artigo.

Guardar os protetores solares na gaveta

Não arrume os protetores juntamente com as toalhas, os chapéus e os chinelos. Os danos do sol ocorrem durante todo o ano e o índice UV em Portugal continua a ser alto. Mesmo sentada à janela no escritório, enquanto conduz ou na hora de almoço na esplanada do café, a sua pele está a receber raios UV. A partir de agora, pode usar um hidratante com proteção solar no dia-a-dia e, sempre que fizer atividades ao ar livre ou for passar mais tempo na rua (e para quem trabalha ao ar livre, claro) use protetor solar +50.

Tomar banhos demorados

Nós sabemos que ficar no chuveiro debaixo da água quente é quase uma terapia para a alma. Mas causa estragos à pele. No programa americano Today, dois dermatologistas explicaram que a pele tem uma capacidade incrível de se limpar a ela própria e dispensa banhos diários demasiado longos. Além disso, a água quente retira o óleo da pele e, juntamente com o uso de sabonetes, elimina uma camada superficial que serve de proteção. E, claro, faz com que a pele fique mais seca. O ideal será um banho rápido, em água morna, de 10 a 15 minutos.

Exagerar nos aquecedores

No inverno é quase um ritual: chegar a casa e ligar o aquecedor, certo? Mas quanto mais tempo o tiver ligado, mais humidade vai sugar do ar e, em consequência, da sua pele também. O ideal será dormir com um humidificador no quarto, que vai ajudar a manter a pele hidratada, e, sempre que ligar o aquecedor ou o sistema de aquecimento central, mantenha as portas abertas para o ar circular.

Desprezar a hidratação das mãos

Ainda está um clima estranho para usar luvas, é verdade, mas o tempo fresco e com mudanças de temperatura bruscas (durante o dia calor e, à noite, frio) pode levar à secura na pele das mãos que, por ter menos glândulas de óleo, tem mais dificuldades em manter-se hidratada. Não se esqueça de aplicar, durante o dia, creme de mãos e — fica já aqui uma nota — lembre-se que as luvas são um dos acessórios obrigatórios nos dias frios.

Não proteger os lábios

A pele dos lábios está constantemente exposta e desidrata-se facilmente: mudanças de temperatura, chuva, ar seco dos aquecimentos, entre outras razões. Se começar já a protegê-los, vai conseguir evitar lábios gretados este inverno. Use bálsamos labiais de dia e de noite. E sim, deve mesmo aplicar um na cama antes de dormir. Veja as nossas sugestões.

Ignorar os antioxidantes

Não é só a vitamina C que faz milagres no nosso corpo (para ajudar a evitar gripes e constipações). Em alimentos e em cremes, esta é a altura ideal para abraçar os antioxidantes e criar um exército para lhe proteger o corpo por dentro e por fora. Nos alimentos, aposte em vitamina A (abóbora, brócolos, cenoura, couve, espinafres), vitamina C (brócolos, espinafres, tomates), vitamina E (arroz integral, milho, óleos vegetais, amêndoas), ómega 3 (atum, salmão, sardinha), polifenóis (frutos vermelhos, frutos secos, cebola, chá verde, tomate), entre outros. Lembre-se que há alimentos que têm mais do que um antioxidante, o que vai facilitar a sua absorção. E o mesmo se diz dos cremes — adicionar antioxidantes à sua rotina cosmética diária não só vai proteger a pele dos radicais-livres como também evitar o envelhecimento precoce.