Rádio Observador

Atentados de Paris

Glossário: um muçulmano é um árabe? Não

3.024

Um árabe não é um muçulmano, islâmico não é o mesmo que um islamita, nem um jihadista. Entenda onde é que estes termos se afastam e aproximam.

Flaticon/ Milton Cappelletti

Os atentados terroristas que mataram 129 pessoas em França reacenderam a discussão sobre as relações entre o Ocidente e o mundo árabe. É dele que chegam palavras que são facilmente confundidas: porque um árabe não é necessariamente um muçulmano e dizer “islâmico” não é o mesmo que dizer “islâmica”. Eis as diferenças entre estes e outros termos.

O mundo árabe

Por norma, quando utilizamos a palavra “árabe” não fazemos a diferenciação entre a origem geográfica e a origem linguística do termo. O que acontece é que chamamos árabes a todos os que residem num dos 10 países da Península Arábica e aos países onde, embora não estejam inseridos nesse território, a maioria da população fala árabe. Em suma, são 21 países que têm maioria muçulmana. Em conjunto com o Estado Palestino compõem a Liga Árabe.

O termo “árabe” não tem caráter religioso, mas sim cultural: refere-se a todos os que partilham algum costume ou ritual relacionado com o idioma árabe, que nasceu na Península Arábica. O árabe é o idioma oficial dos países que compõem essa península, assim como de mais alguns países de maioria muçulmana, mas não todos. É também a língua oficial do Islamismo, a religião que se rege pelo Corão.

Árabes da península da Arábia

Aqui existem sete países – Arábia Saudita, Bahrein, Emirados Árabes Unidos, Kuwait, Omã, Qatar e Iémen -, todos geograficamente incluídos na península da Arábia e tendo o árabe como língua oficial. Todos eles são também países muçulmanos.

Árabes que não pertencem à península da Arábia

Há mais 14 países em que o árabe é a principal língua oficial e ficam fora da península arábica: Mauritânia, Marrocos, Argélia, Tunísia, Líbia, Egito, Sudão, Djibouti, Somália, Jordânia, Líbano, Síria e Iraque, para além da Autoridade Palestiniana. Nem todos os que nasceram ou vivem nesses países podem ser considerados árabes – há, por exemplo, importantes comunidades berberes em Marrocos e na Argélia, aguerridas minorias curdas na Síria e no Iraque, para além dos drusos do Líbano e da Síria. Também não são todos muçulmanos, podendo existir importantes comunidades cristãs (como os coptas no Egito ou os maronitas no Líbano), ou ainda influentes elites judaicas (caso de Marrocos). Por fim há também uma importante minoria árabe que vive em Israel.

Países muçulmanos que não são árabes 

Os países de maioria muçulmana não-árabes são em maior número que os árabes e, sobretudo, são muito maiores em população. Espalham-se pela África sub-sariana, pela Europa (Albânia e Bósnia-Herzegovina), pela antiga União Soviética e pela Ásia, onde se localizam os três países muçulmanos com mais população: a Indonésia, o Bangladesh e o Paquistão. 

Países com minoria muçulmana considerável

Assume-se que os países com minoria muçulmana considerável são aqueles em que mais de 20% da população é muçulmana. Apesar de a população muçulmana na Índia ser inferior em percentagem a esse valor, este país está incluído na lista porque tem quase 175 milhões de muçulmanos (segundo os dados de 2004 da CIA World Fact Book), o que faria dele o segundo país muçulmano mais populoso do mundo, logo a seguir à Indonésia.

O mundo muçulmano

Muçulmano é todo aquele que se rege pelo Islamismo, a religião cujo profeta é Maomé e tem como livro sagrado o Corão. A palavra muçulmano deriva do termo árabe “aslama”, que significa “submetido a Deus”. O muçulmano está para o Islamismo como o cristão está para o Cristianismo.

Quem é Maomé?

Maomé é o profeta mais importante do Islamismo. De acordo com os muçulmanos, este foi o último profeta de Deus (ou Alá) e um dos seres mais abençoados da História. Terá recebido revelações do arcanjo Gabriel e pregado os ensinamentos de Alá.

E assim como este último está dividido por vários ramos (católicos, protestantes, ortodoxos), também os muçulmanos podem pertencer a uma vertente específica do Islamismo, dividindo-se em dois grandes ramos, os sunitas e os xiitas. Dentro destes ramos existem ainda outras variantes mais específicas e localizadas.

Ser muçulmano e ser árabe não é pois sinónimo. Dentro dos países árabes há quem não siga o Islamismo e, portanto, não seja muçulmano. Há, por exemplo, árabes cristãos: no Líbano chamam-se maronitas e no Egito coptas ortodoxos.

Em África, os países muçulmanos não árabes – e com costumes tipicamente africanos – são 18: Benin, Burkina Faso, Camarões, Chade, Costa de Marfim, Gabão, Gâmbia, Guiné-Bissau, Mali, Moçambique, Níger, Nigéria, Senegal, Serra Leoa, Somália, Sudão, Togo e Uganda. Alguns destes países têm constituições laicas, mas neles os residentes muçulmanos têm uma voz muito ativa.

O que é um Estado laico?

Nos estados laicos, assume-se que todos os cidadãos podem expressar livremente a sua fé e praticá-la sem sofrer qualquer tipo de discriminação. Portugal é um Estado laico, apesar de 85% da população se assumir católica.

Mesmo dentro dos países árabes, nem todos são muçulmanos: os berberes e os curdos são dois exemplos. Os berberes são maioritariamente muçulmanos mas não se assumem como tal e designam-se de “imazighen”, que significa “homem livre”. Por sua vez, os curdos, com origem no Curdistão, região que inclui territórios do Iraque, Irão, Síria, Turquia, Geórgia e Arménia, a maioria é sunita e 1/3 da população yazdanita, religião monoteísta praticada sobretudo antes da islamização na Idade Média. 

Muçulmanos na Europa

O país europeu (se assim o podemos designar) com maior percentagem populacional muçulmana é a Turquia: dos quase 75 milhões de habitantes, 99% segue o Islamismo. Ainda assim, este país declarou-se oficialmente laico. Mas é nos Balcãs que estão os restantes países muçulmanos da Europa: na Albânia, no Kosovo e na Bósnia-Herzegovina, cerca de metade da população é muçulmana e a outra metade é cristã.

O mundo islâmico… ou islamita?

É importante desde já esclarecer um aspeto: os termos “islâmico” e “islamita” não significam o mesmo. Diz-se “islâmico” tudo o que está relacionado com o islamismo. É, portanto, um termo relacionado com esta religião, cujo profeta e identidade máxima é Maomé e os seus ensinamentos.

Por outro lado, diz-se islamita todo aquele que assume uma visão integralista do Islão, fazendo uma leitura ortodoxa e literal dos textos sagrados e pretendendo impor a toda a vida social, cultural, política e económica aos ensinamentos religiosos e o quadro legal da sharia.

Muitos islamitas defendem os seus princípios de forma pacífica, mesmo que por vezes de forma opressiva, como sucede, por exemplo, na Arábia Saudita. Não devem, portanto, ser confundidos com os jihadistas. Essa palavra, que vem do árabe, significa “aquele que se empenha” e designa os combatentes violentos das fações mais fundamentalistas e radicais do Islamismo.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)