O candidato à presidência da República, Marcelo Rebelo de Sousa, afirmou esta quarta-feira em Bruxelas que um Presidente “pode e deve ter um papel de ajudar a encontrar a melhor solução governativa” e que é ao PR que compete “apurar a consistência e durabilidade” das soluções governativas que lhe forem propostas, em declarações citadas pelo DN, e recolhidas pela agência Lusa.

Marcelo já havia falado da necessidade da existência de um governo “duradouro” no dia 11 deste mês, após o seu encontro com a UGT, onde havia dito que “é preciso um Governo que governe, que traduza o voto dos portugueses e que seja duradouro”.

O candidato acrescentou ainda que não vê com bons olhos quer “uma evolução parlamentarista no sistema do Governo” quer “uma evolução presidencialista” do regime. O candidato, que reuniu o apoio de militantes e dirigentes do PSD e CDS, explicou que o atual modelo constitucional tem permitido “prevenir ou resolver crises”, e que o defende desde 1976.

Questionado sobre o lançamento de uma petição, que instava Rui Rio a ser candidato à presidência do país, o professor catedrático de Direito afirmou que quando “é definido o rumo e se avança para determinado caminho, não se avança para ter angústias a meio”.

Pode-se ter dificuldades, mas não se tem angústias. Fez, fez, e avançou com a condição de que é importante para o país”, acrescentou.