A associação de dois nomes, Aston Martin e Red Bull, e um simples esboço bastaram para assegurar o sucesso das vendas de um supercarro que ainda nem sequer está a ser produzido, o até agora designado AM-RB 001. De acordo com o portal automóvel Carbuzz, alguns clientes tiveram acesso a desenhos do modelo e ficaram de tal modo impressionados que trataram de garantir logo espaço na garagem para um AM-RB 001.

Resultado: as 99 unidades que irão ser produzidas já têm dono – alguém com fôlego financeiro para desembolsar 2,8 milhões de euros. E a Aston Martin já tem experiência nestas pequenas produções de desportivos muito ousados, pois ainda em 2015 vendeu rapidamente as 24 unidades que decidiu construir do Vulcan, um desportivo só para uso em pista e que propôs por 2,3 milhões de euros.

A parceria entre a Reb Bull e a Aston Martin foi revelada a 25 de Março, com o anúncio de que desta associação surgiria um “hipercarro” que se bateria com máquinas como o Koenigsegg Regera ou o Bugatti Chiron. Instalou-se de imediato um nervoso miudinho junto dos amantes de supercarros, cuja curiosidade vem sendo saciada com pouca informação.

Pouco se sabe acerca do futuro AM-RB 001 (nome de código). O desenvolvimento chegou a estar apontado para 2018, mas o “desportivo híbrido do futuro” – tal como é descrito pela Aston Martin e pela Red Bull –, poderá vir a ser desvendado ainda este Verão, segundo a Carbuzz. O aspecto deverá ser muito próximo do DP 100, modelo virtual desenhado para o jogo Gran Turismo 6 (abaixo).

10 fotos

O CEO da marca britânica, Andy Palmer, antecipa que conduzir o AM-RB 001 será uma experiência semelhante à de guiar um Fórmula 1 (F1) ou um dos protótipos da principal categoria da resistência (LMP1). Para compatibilizar um design arrojado com o mínimo de resistência ao vento, para que o desportivo possa ser conduzido a alta velocidade, a mecânica e, sobretudo, a aerodinâmica estão a cargo de Adrian Newey, o homem que projectou o carro com que a Red Bull conquistou quatro títulos na F1. Newey está a trabalhar em estreita colaboração com o britânico Marek Reichman, o designer por detrás do Aston Martin Vulcan e do DB11.

Apostada em que o projecto seja um êxito, a Red Bull colocou todo o potencial tecnológico da sua equipa de F1 à disposição da marca britânica, sem dúvida para optimizar suspensões e sistemas electrónicos, para além da limitação do peso, trunfo a que é forçoso recorrer para melhorar o comportamento e as acelerações. Outras das áreas em que pode ser altamente benéfica a colaboração com a equipa de F1 é no capítulo das estruturas de deformação, para protecção em caso de embate, e na aerodinâmica, disciplina em que Newey é considerado brilhante.

A Carbuzz adianta que o AM-RB 001 deverá exibir proporções semelhantes às do McLaren P1 e recorrer a um motor em posição central – uma estreia na história da Aston Martin – auxiliado por motores eléctricos. Os rumores apontam para uma potência impressionante (presume-se que acima de 1000 cv) e elevados índices de carga aerodinâmica. Em relação à potência, torna-se evidente que o modelo não irá recorrer ao V12 montado no Vulcan, com 7,0 litros e 800 cv, por se tratar de uma unidade muito volumosa e pesada. Poderá ter, isso sim, uma versão mais civilizada de um motor Renault de F1, com sistema de baterias e motores eléctricos para que o reforço da potência não venha acompanhado por demasiado peso e volume, garantindo que Newey consegue controlar o fluxo de ar sob a carroçaria, de modo a produzir carga negativa sob o chassi, colando-o ao solo.

O projecto está a ser desenvolvido há 14 meses, confirmou Reichman ao austríaco Go Auto, adiantando que a estética se encontra já numa fase muito madura, existindo até um modelo em tamanho real. Enquanto não são conhecidos mais pormenores sobre o AM-RB 001, fique com o vídeo acerca do DP 100.