438kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

bao. Comem-se que nem pãezinhos quentes (a vapor)

Este artigo tem mais de 5 anos

Uma das grandes tendências da street food mundial chegou a Lisboa pela mão do grupo Sushic: os pãezinhos de origem asiática vulgarmente conhecidos por bao. Bao que é também o nome deste projeto.

4 fotos

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Ao longo da conversa com Hugo Ribeiro a propósito do bao, o novo conceito do grupo Sushic, o responsável repete a palavra descontraído a cada cinco minutos. E fá-lo com a descontração necessária para que soe credível, dispensando, pelo caminho, os talheres que chegam com um dos pãezinhos recheados que compõem a ementa do espaço. “Isto é para ser descontraído, para se comer à mão. Se sujar há guardanapos”, atira.

Na verdade, a descontração é tão importante como os guardanapos. Por muita experiência que se tenha na matéria é improvável comer estes gua bao à mão sem ficar com vestígios do recheio espalhados entre a boca e os dedos. O pão podia ser maior, é um facto, mas a intenção de Hugo e da dupla de chefs que com ele trabalha, Rui Fontes e Pedro Rezende, foi dar destaque às proteínas e vegetais que os distinguem. “E também não queríamos que as pessoas se enchessem de pão”, explica Hugo.

BAO TP3

O bao fica no interior do Hotel Portugal, no bar também conhecido por Jony Rules.
(foto: © Tiago Pais / Observador)

Gua bao? Nós avisámos

Num artigo de janeiro de 2016, intitulado “O que vamos beber e comer nos próximos tempos“, o bao já vinha mencionado como tendência a observar. E não foram necessários dotes de vidência especialmente apurados: o sucesso de projetos assentes neste snack asiático já se faz sentir há algum tempo por essa Europa fora, como é o caso de BAO e Flesh & Buns em Londres, do restaurante SAam, em Paris, ou da food truck berlinense Bao Kitchen.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Hugo Ribeiro não era estranho a este conceito: rechear pequenos pães asiáticos cozidos a vapor de diferentes formas. E até já tinha definido que era um dos dois que gostava de importar para Lisboa (“O outro não posso revelar”, diz). Mas foi numa recente viagem de costa a costa pelos Estados Unidos — onde, garante, “o bao funciona muito bem, até em sítios inesperados, como o Texas” — que definiu, ao telefone com os seus chefs, o grosso da carta do novo espaço. Quando chegou, tinha uma série de receitas para experimentar. Mas não se pense que foi fácil chegar a um consenso: “A textura certa do pão não foi nada fácil de alcançar”, recorda Hugo.

Do tradicional (asiático) ao tradicional (português)

O bao come-se um pouco por toda a Ásia, com ligeiras variações. “A nossa receita é típica de Taiwan”, refere Hugo. Até pode ser, embora este — confecionado na cozinha central do grupo — se apresente ligeiramente mais amarelado e crocante que noutros casos. Os recheios variam entre o tradicional asiático, como a barriga de porco e cogumelos shiitake (6€) ou o caranguejo de casca mole com caril thai (7€), e o tradicional português, casos do bao de terrina de pezinhos de coentrada com orelha frita (6,50€) ou do de lula recheada com mão de vaca e rabo de boi (6,50€). Ao todo há 10 propostas, um número redondo que Hugo Ribeiro não pretende ultrapassar. O que pretende, isso sim, é que haja um certo dinamismo na ementa: ora sai um bao, ora entra outro. “Estamos sempre a testar coisas novas, até porque fazemos muitos eventos”, explica. O bao de salmão curado que, não estando na ementa, chega à mesa a meio da refeição confirma essa ideia. “Este é um do que está em testes. Vamos provar?”

Bao Caranguejo de casca mole com caril

O bao de caranguejo de casca mole com caril tailandês.
(foto: © Divulgação)

A complementar a oferta há gỏi cuốn, os famosos crepes vietnamitas em folha de arroz, de camarão (6,50€) ou frango (6€) e uma pequena lista de acompanhamentos de onde se destaca o saigon rice: arroz frito com barriga de porco crocante e ovo estrelado (6,50€). “Aqui faz-se perfeitamente uma refeição com um bao e um acompanhamento a dividir. E olhe que eu como bem”, assegura Hugo. As duas sobremesas (4,50€ cada), servidas em frascos, têm a assinatura do chef pasteleiro Francisco Siopa, colaborador frequente do grupo. Neste caso, Siopa fez um esforço por manter as coisas simples. Uma sobremesa mais ácida, a panna cotta de coco e gengibre, outra mais doce, um chiffon de chocolate negro e banana com espuma de avelã e creme de cacau.

Panacotta de coco e gengibre, geleia de maracujá, marshmallow de matcha e melão com flor de hibisco

Uma das sobremesas assinadas por Francisco Siopa: panna cotta de coco e gengibre, geleia de maracujá, marshamallow de matcha e melão com flor de hibisco. (foto: © Divulgação)

Street food num hotel?

A localização pode não parecer a mais indicada para um conceito de street food: no interior do Hotel Portugal, no bar também conhecido por Jony Rules, ainda que tenha, também, acesso à respetiva esplanada. Hugo Ribeiro reconhece-o, embora considere que vale a pena tentar combater o velho estigma do restaurante de hotel. E o objetivo do responsável é expandir a marca, o que até nem deverá demorar muito. “Já temos outro espaço em vista”, revela. O que também estará para breve é a introdução de uma cerveja própria, uma pilsener que já tem nome pensado: Sushica. “Estamos a apostar nas notas de gengibre, para que seja uma coisa leve, frutada.” E descontraída, claro.

Nome: bao
Morada: Hotel Portugal, Rua João das Regras, 4 (Rossio)
Telefone: 21 884 2120
Horário: Todos os dias, das 12h às 15h e das 19h às 22h (no futuro o horário será contínuo)
Preço Médio: 15€
Reservas: Para já aceitam, no futuro esperam deixar de o fazer
Site: www.facebook.com/bao.com.pt

Loja Observador Lifestyle

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.