Oussama Atar. As autoridades francesas acreditam que terá sido este o “cérebro” dos atentados de Paris e de Bruxelas, de acordo com o jornal Le Monde.

O belga de origem marroquina, de 32 anos, que se tem escondido sob o pseudónimo Abu Ahmad, já tinha sido notícia em agosto e vinha sendo falado como estando ligado aos ataques de Bruxelas. Agora a polícia francesa acredita que será também ele o mentor dos atentados de novembro, em Paris.

De acordo com a informação mais recente, terá sido Oussama Atar a coordenar ambos os ataques, a partir da Síria, sendo o responsável, nomeadamente, pelo recrutamento dos dois bombistas suicidas que se fizeram explodir junto ao Stade de France, a 13 de novembro de 2015, e a pessoa a quem os kamikazes de Bruxelas apresentaram os planos, em março deste ano.

A CNN, que também avança com a notícia, escreve que os investigadores encontraram provas no computador de um dos irmãos que se fizeram explodir na capital belga.

Oussama Atar já estava a ser procurado pela polícia e é qualificado por várias fontes policiais e judiciais como “um dos terroristas mais perigosos da Europa”.

Atar é primo dos irmãos Ibrahim e Khalid El Bakraoui, que se fizeram explodir no aeroporto de Zaventem e na estação de metro de Maalbeek, na capital belga, a 22 de março, provocando 32 mortos e 340 feridos. É também irmão de Yassine Atar, detido cinco dias depois como suspeito de preparar um atentado contra a “Marcha contra o medo”, primo de Jawad Benhattal e sobrinho de Moustapha Benhattal, detidos a 18 de junho por suspeita de prepararem um ataque durante o jogo Bélgica-Irlanda do campeonato europeu de futebol.

Desde 2012 que este belga de origem marroquina é conhecido da polícia. Foi nesse ano que regressou à Bélgica depois de quase nove anos de prisão no Iraque, onde foi detido por cruzar ilegalmente a fronteira com a Síria e condenado a 10 anos de prisão.

As autoridades admitem que esteja escondido na Bélgica, apesar de Atar ter alegadamente regressado à Síria em 2013.