Pelo menos 100.000 menores estão encurralados nos bairros do leste da cidade síria de Alepo que continuam em poder da oposição, após o avanço das forças governamentais, informou esta terça-feira a organização britânica Save the Children.

O avanço do exército sírio e dos seus aliados levou nas últimas 36 horas ao deslocamento de milhares de pessoas e enclausurou outras 250.000 na zona controlada pelos opositores, alertou a ONG em comunicado.

“Com tantas pessoas encurraladas num espaço cada vez mais reduzido, os menores não podem ser mais do que alvos à espera das bombas”, disse a diretora da organização para a Síria, Sonia Khush.

Os deslocados na parte oriental de Alepo encontram-se em áreas completamente devastadas, cujos residentes habituais vivem há semanas nas ruas, sem comida ou abrigo adequado.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“Estamos ouvindo que as coisas estão tão mal que muitas famílias temem não sobreviver durante a noite”, adiantou Khush, assinalando que há ainda o risco de se encontrarem engenhos que ainda não explodiram.

A responsável da Save the Children declarou-se igualmente preocupada com os civis que continuam nas zonas capturadas recentemente pelas forças armadas, “especialmente após informações não confirmadas de que homens e rapazes estão a ser separados das suas famílias, interrogados e até detidos”.

A ONG reiterou o seu apelo para que seja permitido o acesso humanitário a Alepo, onde os civis não têm água limpa ou serviços médicos.