O Tribunal de Leiria condenou 12 pessoas a penas entre os quatro meses e os cinco anos pelos crimes de tráfico de droga, lenocínio, detenção de arma proibida e consumo de estupefacientes, anuncia a página da Procuradoria da Comarca de Leiria.

Um dos arguidos foi condenado pelo crime de tráfico de estupefacientes e por detenção de arma proibida na pena única de cinco anos de prisão, suspensa por igual período. Outro dos acusados foi condenado a três anos e seis meses, pelos crimes de lenocínio, tráfico de estupefacientes e detenção de arma proibida. A pena foi suspensa por igual período de tempo.

Segundo a página oficial da Procuradoria, outros dois arguidos foram também condenados pelo crime de lenocínio, sendo um em autoria material e o outro na forma de cumplicidade, respetivamente, na pena de três anos de prisão efetiva e na pena de um ano e seis meses de prisão, suspensa por igual período.

Uma mulher foi condenada, por cumplicidade, pela prática de um crime de lenocínio, na pena suspensa de um ano e nove meses. Um outro arguido foi condenado por um crime de tráfico de estupefacientes na pena suspensa de um ano de prisão.

Quatro arguidos foram condenados pela prática dos crimes de tráfico de estupefacientes, a penas de dois e um ano, todas suspensas. O consumo de estupefacientes levou à condenação de dois arguidos em cinco e quatro meses.

O coletivo de juízes deu como provado que dois dos arguidos, auxiliados por outros dois, no período temporal compreendido entre junho de 2012 e fevereiro de 2016, “diariamente, exploraram um estabelecimento de diversão noturna”, em Pombal, onde “várias mulheres de diversas nacionalidades desenvolviam a atividade de ‘alterne’ e prostituição, induzindo os clientes ao consumo de bebidas e mantendo com os mesmos relações sexuais, mediante o pagamento de quantias em dinheiro”.

A par dessa atividade, refere o acórdão, desde o início do ano de 2015 e até ao dia 20 de fevereiro de 2016, “dez dos arguidos dedicaram-se à compra e venda de produtos estupefacientes de diversa natureza, nomeadamente haxixe, cocaína, heroína e drogas sintéticas, em Pombal e seus arredores”.

Em fevereiro de 2016, a GNR de Pombal disse à Lusa que a investigação se tinha iniciado há cerca de dois anos, “na sequência de uma denúncia de lenocínio”, enviada pelos serviços do Ministério Público de Pombal, para investigação.

Da operação policial resultou a apreensão de uma viatura, 29 gramas de heroína, 137,2 gramas de haxixe, 131,3 gramas de ‘cannabis’, 20 pastilhas de ‘ecstasy’, 0,5 gramas de MDMA, 0,8 gramas de cocaína, nove balanças digitais, 15 telemóveis, armas brancas, gás lacrimogéneo e computadores. Foram ainda apreendidos sete armas de fogo, várias munições, 624 preservativos, “outros objetos relacionados com a prática de atos sexuais e 2.395 euros em notas”.