Rádio Observador

Eurogrupo

O dia em que Varoufakis derrotou Schäuble e Maria Luís Albuquerque

236

Em livro, Yanis Varoufakis conta como Merkel celebrou um acordo com os gregos à revelia do seu ministro das Finanças, Wolfgang Schäuble. O alemão acabou isolado, ao lado de Portugal e de Espanha.

"Os únicos ministros que apoiaram [Schäuble] foram Maria Luís Albuquerque e o meu vizinho do lado, Luis de Guindos"

AFP/Getty Images

É um relato na primeira pessoa sobre os bastidores das negociações em Bruxelas. No livro Adults In The Room: My Battle With Europe’s Deep Establishment, o ex-ministro das Finanças grego, Yanis Varoufakis, conta a sua versão da história e de como tentou vencer as guerras que foi mantendo com os falcões europeus. Uma história que tem como antagonistas o ministro das Finanças alemão, Wolfgang Schäuble, e a sua claque de apoio, onde se incluíam, aos olhos do grego, a então titular da pasta das Finanças portuguesas, Maria Luís Albuquerque.

Numa passagem particular do livro, que o jornal Público recupera em detalhe, Varoufakis conta como Angela Merkel se bateu pelos interesses da Grécia, isolando, inclusivamente, o seu próprio ministro das Finanças e homem todo poderoso do Eurogrupo. O grego fala ainda do papel determinante do então ministro francês da Economia — e hoje Presidente –, Emmanuel Macron, e de como Maria Luís Albuquerque e o seu homólogo espanhol, Luis de Guindos, se aliaram a Schäuble quando os gregos se batiam por uma revisão mais suave do memorando de entendimento.

Depois de assumir funções, conta Varoufakis, Alexis Tsipras tentou a todo custo rever as condições do acordo com a troika, mas esbarrou sempre na intransigência de Schäuble. Com as contas gregas no vermelho, com o país perto da falência, Tsipras tentou um último gesto de aproximação e telefonou a Angela Merkel para tentar convencer a chanceler alemã sobre a urgência de rever os termos do memorando de entendimento. À revelia do seu ministro das Finanças, Merkel terá então dito que sim.

O ministro das Finanças grego desenhou um rascunho do novo acordo, propondo, à cabeça, a extensão do prazo do financiamento à Grécia. Se Bruxelas concedesse, havia condições para trabalhar num novo memorando. Na véspera do Eurogrupo, conta o Público, citando o relato de Varoufakis, o grego recebeu, por “canais reservados” a luz verde de Berlim. Era “uma boa base” para um acordo “construtivo”, diziam os alemães.

A 20 de Fevereiro de 2015, dia da reunião do Eurogrupo, Varoufakis encontrou-se em Bruxelas com o presidente do Eurogrupo, Jeroem Dijsselbloem, para acertarem os termos do comunicado final — o holandês já estaria ao corrente dos planos de Merkel. Acabaria por fazer algumas alterações apenas — a extensão do programa duraria quatro meses e não os seis que os gregos pediam –, nada que deitasse por terra o acordo.

“[Se o conseguisse], constituiria um triunfo dos países mais fracos da zona euro. Seria a primeira vez que seria concedido a um Governo manietado por um programa de resgate o direito de substituir o memorando da troika por uma agenda de reformas da sua própria autoria”, escreve Varoufakis.

A reunião do Eurogrupo seria quase um pró-forma. “Foi a mais fácil de todas“, conta o grego. “Um monumento à ambiguidade calculada, que confirmou também o poder da chanceler alemã para usurpar o controlo do Eurogrupo, ainda que momentaneamente, ao homem que geralmente o domina – o seu próprio ministro das Finanças”.

Nos bastidores, Emmanuel Macron esforçava-se por resolver o diferendo. Pouco antes da reunião do Eurogrupo começar, o francês enviara uma SMS a Varoufakis, assegurando que tudo ia correr como previsto. O então ministro da Economia francês tinha estado a almoçar com Angela Merkel e teve a garantia de que a chanceler dera “instruções diretas a Dijsselbloem para acabar com a saga grega“. Um esforço muito mais significativo do que François Hollande alguma vez fizera, regista Varoufakis.

Relata o grego: “Em todas as reuniões do Eurogrupo, logo que se abria o período de intervenções dos ministros, ocorria o mesmo ritual. Primeiro, a claque de apoio do dr. Schäuble, constituída por ministros das Finanças dos países do Leste, competiria entre si para ver que é mais pro-Schäuble que o próprio Schäuble. Depois, os ministros dos países submetidos a resgates como a Irlanda, a Espanha, Portugal e Chipre – os prisioneiros-modelo de Schäuble – acrescentariam a sua bagatela Schäuble-compatível imediatamente antes de, por fim, Wolfgang, o próprio, vir a terreiro para finalizar com alguns retoques a narrativa que controlava desde o início”. Dessa vez, no entanto, não foi assim.

“Libertado do feitiço de Wolfgang pelas instruções diretas da chanceler alemã, Jeroem [Dijsselbloem] leu o esboço do comunicado e chamou-me para o defender.” Nenhum dos restantes ministros das Finanças se inscreveu para falar. Apenas um “silêncio constrangedor”. Temendo Schäuble, “ninguém defendeu o comunicado, mas também não se atreveram a criticá-lo”, até porque o novo acordo tinha o apoio de Christine Lagarde, do FMI, e Mario Draghi, do Banco Central Europeu.

Schäuble resistiu e e interveio várias vezes. “Perdi a conta ao número de intervenções dele – mas devem ter sido mais de vinte”, escreve Varoufakis, que adianta um outro detalhe: “Os únicos ministros que o apoiaram foram a portuguesa [Maria Luís Albuquerque] e o meu vizinho do lado, o ministro espanhol Luis de Guindos, que falou mais de dez vezes – seguramente reflectindo o medo do seu Governo por qualquer êxito do Syriza que pudesse suscitar apoio para o Podemos nas eleições que se avizinhavam em Espanha.”

Contactada pelo jornal Público, Maria Luís Albuquerque recusou fazer “qualquer comentário” sobre o livro de Varoufakis ou sobre episódio em concreto.

Seria uma vitória de pirro para os gregos, que continuaram asfixiados pela crise económica que o país atravessava. O acordo alcançado serviria de pouco para um país a braços com um problema estrutural daquela natureza. Encostado à parede, Varoufakis não queria assinar o novo memorando — Tsipras também não e, por isso, convocou o referendo, cujo resultado acabaria por ignorar. O ex-ministro das Finanças grego não deixa, ainda assim, de contar um detalhe curioso sobre a convivência atribulada com Schäuble.

Já perto do fim, pouco antes de abandonar o cargo, o grego conta uma das últimas conversas que manteve com o alemão, em Berlim. Schäuble tentava convencer Varoufakis a assinar o memorando, que, por sua vez, tentava convencer o ministro das Finanças de Merkel da irrazoabilidade daquele acordo. Varoufakis terá então perguntado: “Pode fazer-me um favor, Wolfgang? Assinaria o memorando se estivesse no meu lugar?“.

O relato termina assim: “Estava à espera que me respondesse previsivelmente – que dadas as circunstâncias não há alternativa – usando os mesmos argumentos comuns e destituídos de sentido. Ele não o fez. Em vez disso, olhou pela janela, para a rua. Para os padrões de Berlim, estava um dia quente e ensolarado. Depois voltou-se e espantou-me com a sua resposta. ‘Como um patriota, não. É mau para o seu povo’”, terá respondido o alemão, em quem Varoufakis deixara de ver como um “ditador maquiavélico”, mas um homem que se sentia “impotente para fazer o que achava que devia ser feito”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)