Rádio Observador

Lançamentos

Agora os preços. Novo Arteon a partir 43.286€

Já chegou a Portugal o novo VW Arteon. Os preços começam nos 43.286€ do 2.0 TDI de 150 cv com caixa manual. Mas, para já, a versão mais acessível é a Elegance com caixa DSG, proposta por 47.815€.

Autor
  • António Sousa Pereira

Quer saber (quase) tudo sobre um dos modelos mais ambiciosos e distintos modelos da Volkswagen dos últimos tempos? Então, nada melhor do que seguir esta ligação e conhecer ao pormenor o Arteon, o novo coupé de quatro portas da marca de Wolfsburg.

Aqui, damos-lhe conta dos preços a praticar pelo novo rival de propostas como o Audi A5 Sportback ou BMW Série 4 Gran Coupé, e que agora inicia a sua carreira comercial no nosso país. Antes disso, convém explicar que a gama do Arteon se articula num formato designado pela Volkswagen como em “Y”, ou seja, assente numa versão base (que não deverá ter grande representatividade entre nós), existindo depois dois níveis de equipamento distintos: um mais focado na elegância e no requinte (Elegance), o outro na desportividade (R-Line).

Passemos aos números. Nesta fase de lançamento, existirá entre nós apenas uma opção a gasolina, que sob o capot monta o motor 2.0 TSI de 280 cv, sempre combinado com a tracção integral 4Motion e a caixa pilotada DSG de dupla embraiagem. Custa 58.729€ com o nível de equipamento R-Line, o único que o importador nacional da Volkswagen associa a esta motorização, por considerar, por óbvios motivos, ser o que melhor se adequa à vocação desta poderosa variante.

Passando à oferta diesel, o grande protagonista é o incontornável motor 2.0 TDI de 150 cv que, num primeiro momento, apenas será proposto com caixa DSG de sete relações. Nesta configuração, o Arteon custa 47.815€ com o nível de equipamento Elegance, e 49 136€ com o nível de equipamento R-Line, não estando disponível com o nível de equipamento base.

A mesma lógica se aplica à mais dotada das versões a gasóleo do novo coupé, equipada com o motor 2.0 TDI de 240 cv, sempre conjugado com a tracção integral 4Motion e a caixa DSG. Com o nível de equipamento Elegance orça em 61.339€, já com o nível de equipamento R-Line exige o dispêndio de 62.563€.

Mas este é só o primeiro passo para a implementação em Portugal do novo Arteon, já que, lá mais para Setembro/Outubro, a gama será alargada com a chegada de novas versões, algumas das quais poderão ser determinantes para o êxito do modelo no mercado luso (sendo os respectivos preços, para já, apenas indicativos, porque ainda sujeitos a confirmação). É o caso das variantes de caixa manual do 2.0 TDI de 150 cv, que custarão 43.286€ no nível de equipamento base, 46.179€ com nível de equipamento Elegance e 47.500€ com nível de equipamento R-Line.

Passando ao 2.0 TDI de 190 cv, quando associado à caixa manual, custará 48.399€ na versão Elegance, e 49.914€ na versão R-Line. Se combinado com a caixa DSG, os preços serão de 49.622€ na variante Elegance, e de 51.138€ na variante R-Line.

O próprio equipamento de série também merece uma atenção especial, não só por incluir algumas soluções pela primeira vez introduzidas num Volkswagen, sobretudo nos domínios da segurança activa e da conectividade, mas também por prometer ser bastante mais completo do que o oferecido pelos seus rivais mais representativos.

Assim sendo, na versão base já se encontram elementos funcionais e de conforto como o volante em pele multifunções; as molduras das janelas cromadas; o ar condicionado automático Climatronic com filtro anti-alérgico e três zonas; o travão de estacionamento eléctrico com assistente aos arranques em subida e função Auto-Hold; os bancos dianteiros com regulação em altura (o do condutor também com regulação eléctrica do apoio lombar); o pacote Light and Sight; o espelho retrovisor interior electrocromático; o sensor de chuva; os espelhos com regulação e rebatimento eléctricos; os farolins traseiros por LED; o cruise control adaptativo; os sensores de estacionamento dianteiros e traseiros; as jantes de liga leve de 17” revestidas por pneus 225/55; e o sistema de infoentretenimento com rádio Composition Media e ligação mãos-livres Bluetooth.

No capítulo da segurança, merecem menção obrigatória o sistema de detecção de fadiga do condutor; a direcção com desmultiplicação variável; o assistente à manutenção na faixa de rodagem; o capot activo para proteção dos peões; as fixações Isofix; os airbags dianteiros frontais laterais, de cortina e para os joelhos para o condutor; e o alerta de colisão dianteira com travagem autónoma de emergência.

A tudo isto, o nível Elegance acrescenta (ou altera) o seguintes elementos: estofos em pele e Alcantara; pedaleira em inox; banco traseiro rebatível assimetricamente; bancos dianteiros aquecidos; “piscas” traseiros por LED dinâmicos; sistema de auxílio ao estacionamento com sensores dianteiros e traseiros; câmara de estacionamento traseira; sistema de reconhecimento de sinais de trânsito; sistema de navegação; e jantes de 18” com pneus 245/45.

Por fim, o nível R-Line destaca-se pelos bancos desportivos em pele e Alcantara; pára-choques e deflector traseiro R-Line; volante desportivo multifunções em pele; vidros escurecidos; saídas de escape trapezoidais; painel de instrumentos digital Active Info Display; e jantes de 18” de design mais desportivo, com pneus 245/45.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)