FC Porto

Glória ao vencedor, honra ao vencido

1.050

Em Vila do Conde, o Rio Ave foi superior (largos momentos houve em que o FC Porto nem tocaria na bola) na 1.ª parte e não se abateu nem a perder 0-2. Miguel sabe de bola mas Conceição venceu-o.

FRANCISCO LEONG/AFP/Getty Images

Autor
  • Tiago Palma

Miguel Cardoso tem a “pinta” toda do italiano Luciano Spalletti. Barba geometricamente aparada, cabeça rapada e a reluzir, tez morena, vestindo sempre um fatinho slim fit primorosamente engomado. Mas é mesmo só a “pinta”.

É que ao contrário do Inter (e antes da Roma ou do Zenit) de Spalletti, o Rio Ave de Cardoso é tudo menos de “retranca”, defensivo, querendo sempre para si a “menina” (leia-se: bola) a rolar de pé em pé e sabendo o que fazer com ela, na defesa como a meio-campo ou no ataque. Miguel foi anos a fio o adjunto de Domingos Paciência, primeiro na Académica, depois do SC Braga ou no Sporting e Deportivo. Sairia da sombra de Domingos e mudar-se-ia para a Ucrânia, onde foi quase tudo no Shakhtar Donetsk: coordenador técnico, treinador do Shakhtar B e adjunto de Paulo Fonseca na última época.

Esta é a primeira vez que assume um clube sozinho. E desde a primeira jornada que se percebeu (pela qualidade do futebol que pratica o seu Rio Ave) que não tardará a deixar Vila do Conde e assumirá em breve um projeto maior.

Rio Ave-FC Porto, 1-2

Estádio dos Arcos, em Vila do Conde

Árbitro: Jorge Sousa

Rio Ave: Cássio; Lionn, Marcelo, Marcão e Bruno Teles; Leandrinho (Gabrielzinho, 84′), Tarantini e Rúben Ribeiro; Óscar Barreto (João Novais, 72′), Nuno Santos e Guedes (Karamanos, 75)

Suplentes não utilizados: Rui Vieira, Nélson Monte, Yuri Ribeiro e Vitó

Treinador: Miguel Cardoso

FC Porto: Casillas; Ricardo Pereira, Felipe, Marcano e Alex Telles (André André, 80′); Danilo, Herrera, Brahimi e Otávio (Maxi Pereira, 69′); Marega e Aboubakar (Soares, 69′)

Suplentes não utilizados: José Sá, Reyes, Óliver Torres e Corona

Treinador: Sérgio Conceição

Golos: Danilo (54′), Marega (67′) e Nuno Santos (80′)

Ação disciplinar: cartão amarelo para Marcão (18′), Barreto (31′), Marcelo (34′), Otávio (57′), Alex Telles (65′), Maxi Pereira (77′), Danilo (83′) e Bruno Teles (86′); cartão vermelho para Marcão (88′)

Durante a primeira parte do encontro com o FC Porto a equipa de Cardoso não permitia (a posse chegou a ser de 75% até perto do intervalo…) que o adversário sentisse o couro à bola. Se o sentisse, prontamente alguém dos vilaconcendeses pressionaria e recuperaria a bola. Rematar, não se rematou muito. Nem de um nem de outro lado. Mas a primeira ocasião em que a bola seguiu em direção à baliza (aos 25′) até foi para os da casa. Nuno Santos conduziu a bola direita fora, esperou que Alex Telles se aproximasse dele e, quando finalmente o lateral se aproximou, isolaria com um passe a rasgar Lionn nas costas de Telles. Sozinho, Lionn cruzou para o poste contrário, Casillas não chegaria à bola, viu esta sobrevoá-lo, Guedes preparava-se para cabecear para a baliza… mas Ricardo Pereira surgiu no último instante a desviar a bola a meias com o ponta-de-lança do Rio Ave e, por fim, o guarda-redes espanhol lá a segurou.

Mesmo de candeias às avessas — o futebol dos portistas vivia sobretudo dos dribles e cruzamentos de Brahimi na esquerda, não havendo (a ausência de Óliver explica muito…) ligação entre os diferentes setores ou jogadas pelo centro –, o FC Porto lá responderia ao Rio Ave, precisamente um minuto após o “meio” cabeceamento de Guedes. Brahimi, Aboubakar, Herrera. Os portistas circulavam a bola atabalhoadamente à entrada da área do Rio Ave, é certo, mas circulavam-na. O passe derradeiro (de Herrera) encontraria Marega lá dentro, descaído para a direita, e o maliano rematou. Acertaria com estrondo na quina da baliza.

Ao intervalo, Sérgio Conceição entendeu que não venceria este Rio Ave se não combatesse o fogo com fogo.

O mesmo é dizer que precisaria de ter a bola consigo. Como fazê-lo? Conceição tirou Otávio do flanco onde tantas vezes esteve na primeira parte e dar-lhe-ia a “batuta” ao centro no recomeço — recuando então tantas vezes o brasileiro até antes do meio-campo para construir desde trás. Foi precisamente assim que primeiro os portistas buscaram o golo após o recomeço. Otávio, pouco depois do meio-campo, ergueu a cabeça e viu (54′) Aboubakar lá longe. Assim viu, assim lá colocaria a bola. Mas o camaronês demorou tanto, tanto a rematar que acabaria por ser desarmado por Marcelo. Canto. Telles bateu-o à esquerda, a bola cai no primeiro poste, tensa, Danilo salta entre Guedes e Marcelo, salta mais alto do que ambos, e bate Cássio: 0-1 em Vila do Conde.

Danilo não fazia um golo desde Abril. Sérgio Conceição quase não festejou. Antes, pediu uma garrafa de água e deu um longo gole.

O Rio Ave desorientou-se por instantes. E sofreria o segundo aos 67′. Correr? Marega sabe correr. O maliano vê tantas vezes no relvado uma pista de tartan. E correu, correu pelo flanco direito, levando tudo à sua frente. Cruzar? Bem, cruzar não é propriamente o forte do maliano — e o cruzamento que fez para a área não chegou ao destino: Aboubakar. A bola cortada por Bruno Teles chegaria a Brahimi, Brahimi voltou a cruzar, entretanto Marega havia chegado à área, chutar ele sabe chutar, e bateu Cássio num remate colocado (entre o guarda-redes do Rio Ave e o poste) de pé esquerdo.

É hábito o Rio Ave sofrer golos de Marega, sendo este o sexto desde 2015 — dois pelo Marítimo, três pelo V. Guimarães e, agora, um de azul-e-branco.

Miguel Cardoso não se conformou. Refrescou o meio-campo com João Novais — e voltaria a ter novamente bola –, fez entrar avançados velozes como Gabrielzinho. E as trocas resultaram mesmo. Insistiu o Rio Ave — precisamente pela esquerda onde Gabrielzinho se havia posicionado –, resistiu o FC Porto, Felipe corta a bola de cabeça, Marega recebe-a mas rapidamente a perderia quando foi pressionado por Novais, é este quem cruza para a área, Felipe que cortou a bola fora da área não estava lá dentro, Nuno Santos recebeu o cruzamento de Novais sozinho, ajeitou a bola de pé direito e rematou-a de seguida com o esquerdo, sendo o primeiro a bater Casillas esta época no campeonato.

O jogo terminaria antes mesmo de terminar. Com a expulsão de Marcão (Rio Ave) perto do fim, não mais os vilacondenses procuraram o empate. Mas venderam cara a derrota. Glória ao vencedor, honra ao vencido.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Futebol

Sobre o futuro próximo de José Mourinho

António Bento

No frio e previsivelmente longo Inverno de 2018-2019 a pele de José Mourinho não é boa de se vestir, como se vê por uma parte significativa das suas declarações à imprensa desde que foi despedido.

IAVE

Errare humanum est… exceto para o IAVE!

Luís Filipe Santos

É grave tal atitude e incompreensível este silêncio do IAVE. Efetivamente, o que sempre se escreveu nos anos anteriores neste contexto foi o que consta na Informação-Prova de História A para 2018.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)