Espanha

Esquerda independentista basca propõe criação da República Confederal de Euskadi

312

O coordenador geral da coligação basca EH Bildu, Arnaldo Otegi, garantiu que o independentismo de esquerdas está preparado para liderar Euskadi até à sua soberania.

JAVIER ETXEZARRETA/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O coordenador geral da coligação basca EH Bildu, Arnaldo Otegi, defendeu hoje a alteração do modelo de relação com o Estado baseado na subordinação e garantiu que o independentismo de esquerdas está preparado para liderar Euskadi até à sua soberania.

Otegi encerrou hoje em Vitória a Conferência política do Euskal Herria (EH Bildu) que aprovou com 98% dos votos um documento que propõe a criação a República Confederal de Euskal Herria, que englobaria três realidades administrativo-institucionais: a Comunidade autónoma de Euskadi, a Comunidade foral de Navarra e os três territórios do País Basco francês.

Na sua intervenção, o dirigente da coligação soberanista indicou que o processo independentista catalão demonstrou ter chegado o momento de terminar com o modelo que “hierarquicamente impõe aos bascos estarem permanentemente dependentes das decisões tomadas por outros”, e que está acabado.

O antigo dirigente da ala política da ETA também afirmou que o EH Bildu pretende garantir um modelo de relação com o Estado em termos de “igualdade” e criticou o Governo central, que na Catalunha revelou o seu caráter “antidemocrático”, não tem qualquer proposta dirigida às “nações sem Estado” e que apenas apela à “chantagem”.

O líder da “esquerda abertzale” basca também se dirigiu ao ‘lehendakari’ (o presidente da comunidade autónoma do País Basco), Iñigo Urkullu, ao referir que a Catalunha não necessita de mediadores mas de “cúmplices” e “aliados”.

No decurso do conclave, o EH Bildu também aprovou uma declaração de apoio ao processo independentista catalão, onde se refere que a coligação soberanista trabalhará “intensamente” para impulsionar um processo baseado no direito de a população basca decidir o seu futuro.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Imigração

Os “anti-fascistas” histéricos /premium

João Marques de Almeida

Sendo a imigração o maior problema da Europa, desafio os “anti-fascistas” de pacotilha a olhar para as políticas anti-imigração de Macron antes de chamarem fascistas a Salvini e ao chanceler austríaco

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)