O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, voltou este sábado a ameaçar a Coreia do Norte, afirmando que a via diplomática não foi eficaz durante 25 anos e que “apenas uma coisa funcionará”, referindo-se implicitamente a uma ação militar no território norte-coreano.

“Os presidentes e os seus governos têm falado com a Coreia do Norte ao longo de 25 anos. Acordos foram feitos e as grandes quantias de dinheiro que foram gastas não funcionaram. Os acordos foram violados antes que a tinta secasse, fazendo os negociadores dos EUA passar por tolos. Desculpem, apenas uma coisa funcionará”, escreveu Donald Trump em dois tweets publicados esta noite.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Trump insiste de novo na ideia de que a via diplomática não é a solução para a Coreia do Norte, usando um discurso em tudo semelhante àquele que já tinha publicado no Twitter a 30 de agosto: “Os EUA têm falado com a Coreia do Norte e têm-lhes pago dinheiro extorquido durante 25 anos. Falar não é a resposta“, escrevera o presidente norte-americano na altura.

O presidente dos EUA voltaria à carga no início deste mês, com um novo tweet em que afirmou que “ser simpático para o rocket man [Kim Jong Un] não funcionou durante 25 anos”, questionando “porque é que funcionaria agora?

Esta nova ameaça de Donald Trump surge no final de uma semana que ficou marcada por uma tensão entre o presidente e o secretário de Estado dos EUA, Rex Tillerson, precisamente em torno da melhor via para lidar com o problema norte-coreano.

Isto porque na última semana Rex Tillerson revelou que os EUA têm canais de comunicação abertos com Pyongyang e que há negociações em curso. Trump comentou esta revelação aconselhando, publicamente, Tillerson a “não desperdiçar o seu tempo a tentar negociar com o pequeno rocket man“. “Poupa a tua energia, Rex. Faremos o que tem de ser feito”, garantiu, também num tweet.

A polémica intensificou-se quando a NBC publicou um artigo revelando que Tillerson chamou “idiota” a Trump depois de uma reunião no Pentágono. Trump apressou-se a classificar o artigo como fake news, exigindo um pedido de desculpas à cadeia televisiva, e Tillerson afirmou que mantém o seu “compromisso” relativamente ao presidente norte-americano.

Tillerson garante manter “compromisso” para com Donald Trump