O ministro Vieira da Silva já tinha sido avisado, há vários meses, das irregularidades nas contas da Raríssimas – denunciadas pela TVI na noite de sábado – e de várias demissões suspeitas.

Um dos ex-tesoureiros ouvidos na reportagem da TVI, Jorge Nunes, enviou uma primeira carta em agosto a pedir uma inspeção profunda à Raríssimas, mas não obteve resposta. Em setembro, Jorge Nunes viria a enviar mais duas cartas, também não obtendo uma reação do Ministério do Trabalho e Segurança Social, segundo a TVI.

Segundo a reportagem da TVI, a Raríssimas recebeu num ano 664 mil euros da Segurança Social e 148 mil euros do Instituto de Emprego e Formação Profissional. Ao Observador, o ministério afirma que “dentro das suas competências”, vai “avaliar a situação e agir em conformidade, tendo sempre em conta, e em primeiro lugar, o superior interesse dos beneficiários desta instituição”.

Raríssimas. Secretário de Estado da Saúde diz que “nunca colaborou em decisões de financiamento”

“Os acordos de cooperação, bem como outros apoios eventualmente atribuídos, são devidamente instruídos e analisados pelos serviços competentes da Segurança Social”, adiantou ainda o Ministério da Segurança Social. O ministério tutelado por José António Vieira da Silva refere ainda que os subsídios em questão são atribuídos no âmbito do Fundo de Socorro Social e têm “como base os valores previstos na lei e o número e modelo de utentes dessas respostas”.

Paula Brito Costa terá recorrido aos fundos da Raríssimas, associação que preside e que só em 2016 recebeu quase um milhão de euros do Estado. O dinheiro terá sido usado em benefício próprio, gasto em roupa de luxo e supermercado, além de usado em deslocações feitas num carro topo de gama, de casa para o trabalho, todos os dias.

Presidente da Raríssimas acusada de usar subsídios públicos para fazer vida de luxo