Estados Unidos da América

Estados Unidos. Tiroteio junto à sede da Agência de Segurança Nacional

Três pessoas ficaram feridas esta quarta-feira na sequência de um tiroteio no exterior da sede da Agência de Segurança Nacional (NSA) dos Estados Unidos.

Três pessoas ficaram feridas esta quarta-feira na sequência de um tiroteio no exterior da sede da Agência de Segurança Nacional (NSA) dos Estados Unidos, em Fort Meade, no estado do Maryland.

Imagens daquela estação televisiva mostram um veículo parado à entrada das instalações da NSA, com buracos causados por balas no pára-brisas. A imprensa norte-americana diz que não há ainda informações sobre o que estava aquele SUV a fazer no local.

O FBI afirmou que o tiroteio não parece ter “ligações ao terrorismo”. As três pessoas que se encontravam a bordo do veículo foram detidas, e uma delas foi hospitalizada na sequência do incidente, explicou Gordon Johnson, o agente do FBI encarregado do caso.

Entretanto, a própria agência já veio confirmar publicamente que “a polícia da NSA e as autoridades locais estão a responder a um incidente que decorreu esta manhã numa das entradas seguras para veículos da NSA”. Num tweet, a NSA assegurou ainda que “a situação está sob controlo” e que não há “nenhuma ameaça à segurança” de momento.

Citada pela CBS, a porta-voz adjunta da Casa Branca, Lindsay Walters, disse que o presidente dos EUA, Donald Trump, já foi informado do assunto. “Os nossos pensamentos e orações estão com todos os que foram afetados”, acrescentou ainda Walters.

Uma autoestrada que passa junto às instalações foi fechada durante a manhã, o que causou perturbações durante a hora de ponta.

Segundo explica a cadeia televisiva norte-americana, há naquela autoestrada uma saída direta para as instalações da NSA, onde é proibido entrar sem autorização. Contudo, é frequente que os automobilistas, por engano, saiam na saída errada e acabem naquele portão de segurança.

Na maioria das vezes, os condutores seguem as ordens das forças policiais fortemente armadas e voltam atrás. Em 2015, as autoridades tiveram de disparar sobre duas pessoas que desobedeceram às ordens policiais — uma acabou por morrer.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Detalhes da assinatura

Acesso ilimitado a todos os artigos do Observador, na Web e nas Apps, até três dispositivos.

E tenha acesso a

  • Assinatura - Aceda aos dados da sua assinatura
  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Inicie a sessão

Ou registe-se

Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)