Pelo menos 49 pessoas foram mortas durante novos confrontos intercomunitários ocorridos na noite de quinta para sexta-feira em Ituri, no nordeste da República Democrática do Congo (RD Congo), indicaram esta sexta-feira fontes locais.

“Contámos 49 corpos e ainda existem outros que estamos à procura”, disse o diretor da organização não-governamental (ONG) Caritas Bunia, o padre Alfred Ndrabu Buju.

“Uma criança vítima do ataque foi recebida hoje de manhã no Hospital geral de Drodro com uma flecha na cabeça”, precisou o padre católico.

Momentos antes, o ministro do Interior da RC Congo, Henri Mova, tinha confirmado a existência de pelo menos 33 mortos.

O balanço dos confrontos entre as comunidades rivais Hema e Lendu é de “33 pessoas mortas” referiu o ministro, em declarações enviadas via correio eletrotónico à agência francesa France Presse (AFP).

Esta nova vaga de violência intercomunitária ocorreu em Maze, uma aldeia no território de Djugu, a cerca de 80 quilómetros a norte de Bunia, a capital da província de Ituri.

“O governador da província está a caminho, neste momento, do local onde ocorreram as mortes”, disse o ministro congolês.

Segundo vários testemunhos recolhidos pela AFP, os agressores, identificados como alegados membros da comunidade Lendu, atacaram a comunidade rival de Hema.

Estas duas comunidades rivais têm um diferendo sobre questões territoriais, quezília que instalou um clima de violência na província de Ituri.

O balanço de vítimas dos incidentes poderá ser maior, de acordo com as testemunhas citadas pela agência francesa.

“Os atacantes investiram contra a aldeia e envolveram-se numa verdadeira carnificina”, afirmou à AFP Banza Charité, um responsável da sociedade civil local.

A província de Ituri tem sido cenário de violência intercomunitária desde meados de dezembro passado e o balanço global de vítimas mortais já ronda uma centena. Também provocou o deslocamento de cerca de 200 mil pessoas.