Executivos da Cambridge Analytica foram filmados por um jornalista do Channel 4 a admitir terem tramado políticos com subornos e recorrendo a”mulheres ucranianas”. Sem saber que estava a ser filmado, o presidente da empresa, Alexander Nix, diz que a empresa trabalha secretamente em eleições e revela algumas das táticas ilegais usadas ao repórter, que julga ser um cliente.

Esta revelação surge menos de uma semana depois de ter sido exposto que a Cambridge Analytica terá usado ilegalmente a informação de 50 milhões de utilizadores do Facebook para prever e direcionar as orientações de voto nas eleições presidenciais norte-americanas de 2016 enquanto trabalhava para a campanha de Donald Trump.

50 milhões de perfis do Facebook terão sido usados para ajudar a eleger Trump

Para conseguir as imagens, um jornalista do Channel 4 fez-se passar por um representante de um cliente no Sri Lanka com perspectivas de conseguir eleger candidatos em eleições locais. Alexander Nix, julgando então que estava a falar com um cliente, revelou diversas táticas que a empresa podia empregar para garantir a vitória nas supostas eleições. As interações decorreram entre novembro de 2017 e janeiro de 2018, em diversos hotéis em Londres.

Nas imagens captadas pelo Channel 4, o presidente da Cambridge Analytica refere que a empresa “opera através de diferentes veículos, nas sombras” e diz que espera “construir uma relação longa e secreta” com o suposto cliente.

Explicando ao cliente quais são as ferramentas que podem usar, Nix afirma que costumam enviar “algumas mulheres a casa” de opositores políticos do cliente para conseguir informação ou material confidencial. E acrescenta: “As mulheres ucranianas são muito bonitas, acho que funcionam muito bem”.

Facebook suspende conta de homem que expôs Cambridge Analytica

Alexander Nix afirma ainda que podem oferecer “uma grande quantia de dinheiro ao candidato para financiar a sua campanha em troca de terreno, por exemplo”. “Gravamos tudo, desfocamos a cara do nosso tipo e publicamos na internet”, explica.

Além do presidente da Cambridge Analytica, também Mark Turnbull, director-executivo, e Alex Tayler, o director de informação, foram filmados a revelar métodos e táticas da empresa de análise de dados.

Segundo o Channel 4, Turnbull e Tayler gabaram-se nas reuniões de ter trabalhado em mais de duzentas eleições e todo o mundo, incluindo na República Checa, Índia, Nigéria, Quénia e Argentina.

[Veja no vídeo executivos da Cambridge Analytica a revelarem que usavam “ucranianas bonitas” para extorquir informação]

Em vídeo, Tayler refere como a empresa recolhe dados de pessoas de modo a ter uma “maior percepção sobre como segmentar a população” de modo a “transmitir mensagens sobre assuntos com que se importam, em linguagens e com imagens que os atraiam”. O director de informação refere então que o fazem na América e em África. Mark Turnbull, ao seu lado, acrescenta: “Fizémo-lo no México, fizémo-lo na Malásia… E agora vamos entrar no Brasil, Austrália, China — mas não em política.”

Cambridge Analytica quer impedir reportagem sobre práticas de recolha de dados

Numa outra ocasião, as filmagens mostram Turnbull a contar como a Cambridge Analytica infiltra informação que possa danificar a imagem de um opositor na internet e nas redes sociais. O diretor-executivo detalha que a empresa põe “informação na corrente sanguínea da internet” e a vêem “crescer”. “Damos-lhe um pequeno empurrão de vez em quando… como um controlo remoto”, diz. “Tem de acontecer sem que alguém pense ‘isto é propaganda’, porque no momento em que pensas ‘isto é propaganda’ a próxima questão é ‘quem é que a pôs cá fora’?”

Preservar o secretismo é importante tanto para a empresa como para os clientes, explica Alexander Nix, referindo que “muitos dos clientes não querem ser vistos a trabalhar com uma empresa estrangeira”, pelo que criam “identidades e sites falsos” para trabalhar no país. “Podemos ser estudantes a fazer trabalhos de investigação junto a uma universidade, podemos ser turistas… são muitas as opções para as quais podemos olhar. Tenho muita experiência nisto”, diz o presidente em reunião.

Noutra circunstância o director-executivo explica, em jeito de lição, que os “principais condutores humanos no que toca a adquirir informação são esperanças e medos”, muitos dos quais são “inconscientes”. “O nosso trabalho é afundar o balde no poço mais fundo do que alguém alguma vez fez para compreender quais são esses medos”, diz, acrescentando: “Não vale a pena fazer campanha com base em factos, porque tudo se trata de emoção.”

Num comunicado, a Cambridge Analytica refuta todas as acusações de recurso a armadilhas e subornos para “qualquer propósito”, afirmando que conversam com clientes para “perceber se têm intenções não-éticas ou ilegais”.

“Ao entrar nesta linha de conversa, e de modo a poupar o nosso ‘cliente’ de humilhação, levantámos uma série de cenários absurdos e hipotéticos”, pode ler-se numa declaração de Alexander Nix. “Sei o que isto parece, mas simplesmente não é esse o caso. Devo enfatizar que a Cambridge Analytica não apoia ou recorre a armadilhas, subornos ou ‘honeytraps’ [investigação através de romance ou relações sexuais], nem usa material falso para qualquer propósito”, afirma.

Edward Snowden afirma que o Facebook é uma “empresa de vigilância”

[Veja no vídeo 5 medidas que pode tomar para proteger a sua conta do Facebook]