Facebook

Facebook suspende conta de homem que expôs Cambridge Analytica

219

Depois de o The Observer revelar que a Cambridge Analytica utilizou os dados de 50 milhões de perfis para a campanha de Trump, o Facebook suspendeu a conta de Christopher Wylie das suas plataformas.

Christopher Wylie é o analista de dados que divulgou que a Cambridge Analytica tinha utilizado informação de perfis para condicionar os resultados das eleições americanas.

Twitter

Christopher Wylie, o ex-funcionário da empresa de análise de dados Cambridge Analytica que expôs ao The Observer (publicação semanal do The Guardian) que mais de 50 milhões de perfis foram recolhidos para ajudar a eleição de Donald Trump, teve a sua conta suspensa do Instagram e do Facebook.

Numa partilha no Twitter, o analista de dados mostrou uma captura de ecrã onde se vê a aplicação do Facebook e a informação “a conta foi desativada”. No Instagram (detido pelo Facebook), noutro Tweet partilhado por Wylie, aparece a informação que a conta foi banida “violar os termos” da empresa.

A Cambridge Analytica, através de uma aplicação criada por Aleksandr Kogan, professor de psicologia da Universidade de Cambridge, recolheu mais de 50 milhões de informação de perfis para poder criar publicidade específica para influenciar o sentido de voto dos eleitores nas eleições americanas.

[Veja no vídeo como a Cambridge Analytica usurpou os dados de milhões de pessoas no Facebook]

O Facebook afirmou que o episódio não se tratou de uma “brecha de segurança”, pois os utilizadores concordaram ao aceder à aplicação em partilhar os seus dados e dos amigos que têm na plataforma. No mesmo comunicado, divulgado um dia antes de a notícia ser partilhada pelo The Guardian, a empresa afirmou que ia cortar todas as relações com a Cambridge Analytica.

Wylie, que já não trabalha com a empresa de análise de dados, diz que o Facebook sabia que a empresa estava a utilizar a informação na sua plataforma há cerca de dois, “mas nada fez”. O analista afirma que expôs o trabalho que fez na empresa “para as pessoas saberem o que andam a fazer com a informação que põem na plataforma”. Numa entrevista ao mesmo meio, Wylie diz que o Facebook lhe pediu, em 2016, para apagar os dados que tinham recolhido, mas nunca confirmou se o tinha feito.

A Cambridge Analytica era, à altura, gerida por Steve Bannon, um dos principais conselheiros de Donald Trump. A empresa é detida por um fundo de investimento do multimilionário Robert Mercer. O empresário ajudou também, através de doações, a campanha do Brexit, apoiando Nigel Farage, principal rosto da saída do Reino Unido da União Europeia.

Em fevereiro, o Facebook e o presidente da Cambridge Analytica, Alexander Nix, confirmaram ao comité do parlamento britânico que está a investigar a divulgação de notícias falsas online que aquela empresa de análise de dados nunca tinha utilizado informações recolhidas no Facebook.

[Veja no vídeo 5 medidas que pode tomar para proteger a sua conta do Facebook]

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mmachado@observador.pt
Trabalho

Teletrabalho é modernidade laboral

Fabiano Zavanella

Defendemos que a tecnologia, aliada ao teletrabalho, é uma contribuição enorme para o problema da mobilidade urbana, principalmente nos grandes centros, e uma das soluções para minorar o desemprego.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)