Rádio Observador

Sporting

Um recado mal recebido, uma indireta nas entrelinhas, uma reunião adiada: os bastidores da crise do Sporting

455

Os problemas entre jogadores e Bruno de Carvalho não surgiram em Madrid mas foi a partir daí que ganharam outro peso. Em 24 horas houve um sismo em Alvalade; antes os abalos já andavam a ser sentidos.

MIGUEL A. LOPES/EPA

Pediram-me para fazer alterações e estou nessa disposição, de ir menos ao Facebook, mas vão ter de mobilizar-se naquilo que é a militância e vou explicar o que é isso no seu essencial. E isto é fundamental, fundamental, para que se perceba que se ultrapassaram barreiras. Ponto 1: a partir de hoje, não comprem nenhum jornal desportivo nem aquele outro que vocês sabem. Ponto 2: não vejam nenhum canal português de televisão a não ser a Sporting TV. No dia em que fizermos isto, vão começar a olhar e a respeitar o Sporting de outra forma (…) Ponto 3: que todos, mas todos os comentadores afetos ao Sporting abandonem de imediato os programas e que mais nenhum sportinguista aceite porque não podemos estar ao lado daquela gente. Chega de programas que é só difamar e caluniar”.

Bruno de Carvalho no discurso final da última Assembleia Geral do Sporting no Pavilhão João Rocha, em fevereiro.

Ouvindo-se a intervenção em direto do presidente leonino no programa Liga d’Ouro nesta quinta-feira, na CMTV, percebe-se que a mensagem teve o seu contexto mas já terá passado de validade. Ainda assim, vamos imaginar que um sócio ou adepto verde e branco continuava comprometido com esse pedido e ligava na noite de sexta-feira a TV no canal dos leões para assistir ao “Sporting Grande Jornal”. O que ficava a saber? Que Bruno de Carvalho foi à Procuradoria-Geral da República para discutir os principais temas da atualidade do futebol português, que os comandados de Jorge Jesus perderam em Madrid por 2-0 com o Atlético, que os juniores vão defrontar a U. Leiria, que haverá uma série de jogos importante nas modalidades este fim de semana, sobretudo a receção do hóquei em patins à Oliveirense para a Liga Europeia. De tudo o resto, nem uma palavra. E entre esse tudo o resto estão críticas de Bruno de Carvalho a atletas, a reação de grande parte dos jogadores às palavras do presidente e a suspensão dos 19 elementos que partilharam essa mensagem. Tudo em menos de 24 horas, numa “guerra” que teve início muito antes.

Segundo foram explicando ao Observador, a relação entre o plantel principal de futebol e Bruno de Carvalho sempre teve os seus momentos melhores ou piores. Da mesma forma que os jogadores reconheciam ao seu presidente uma enorme vontade de fazer tudo para colocar o Sporting de novo no trilho dos grandes triunfos, também não gostavam de algumas das intervenções que ia tendo através da sua página oficial do Facebook, que muitas vezes (ou quase todas) chegava ao conhecimento através de terceiros e não in loco, no balneário. Até porque alguns, nomeadamente os capitães Rui Patrício e William Carvalho, estavam no plantel quando o número 1 verde e branco teve o maior ataque cerrado ao grupo desde que é presidente, em novembro de 2014, após uma derrota em Guimarães por 3-0. Ao mesmo tempo, as “feridas” da exaltada intervenção do líder leonino no balneário em Chaves, em janeiro de 2017, após uma derrota na Taça de Portugal (e do atual plantel muitos estavam nessa partida), voltaram a abrir. Em termos recentes, convém recuar até ao triunfo com o Rio Ave para se perceber tudo o resto.

Aí, a 18 de março, o Sporting teve no plano global uma das melhores exibições da temporada, com uma primeira parte de luxo onde conseguiu apenas um golo mas atingiu uma dinâmica ofensiva como há muito não se via. Isto após uma sequência apertada de jogos (desde o início do ano, com Taça da Liga, Taça de Portugal e Liga Europa que a equipa estava a jogar sempre a meio da semana) que, apesar das derrotas no Estoril, no Dragão e com o Viktoria Plzen na Rep. Checa, não impediu o conjunto de Alvalade de manter aspirações em aberto nas três provas onde estava inserido (entretanto tinha ganho a Taça da Liga ao V. Setúbal, na final realizada em Braga).

“Quanto ao jogo, feliz pela exibição, plena de atitude e compromisso. Um dia importante dedicado aos pais (com os jogadores a entrarem com os filhos) e ao enorme Peyroteo (pontapé de saída pelo seu filho, camisolas e inauguração da Tribuna Peyroteo). Que melhor forma de fazer estas duas homenagens do que ganhar e proporcionar um sorriso e uma alegria a todos os que vivem este clube”, escreveu Bruno de Carvalho no seu Facebook após um dia com jogos importantes de várias modalidades em Alvalade. Ainda assim, deixou um reparo no final dessa publicação: “Mas hoje também era o início de uma ação de solidariedade que os jogadores decidiram ignorar”.

A ação dizia respeito a uma campanha que iria arrancar por parte da Fundação Sporting, com o apelo para que os sócios e adeptos fizessem reverter 0,5% do seu IRS para ajudar a instituição, e a rampa de lançamento seria colocar os jogadores titulares a fazer o gesto simbólico de um coração na fotografia de equipa que antecede o início do jogo. A seguir a esse triunfo com os vila-condenses, haveria paragem para compromissos das seleções nacionais, mas os elementos do grupo foram falando entre si (também sobre as palavras que tinham sido dirigidas ao ex-capitão de equipa Adrien), discordando da crítica porque teria havido, isso sim, uma falha de comunicação. O assunto chegou a ser ventilado por alguma imprensa; Bruno de Carvalho falou em invenção e manipulação, mas nem por isso deixou de enviar uma indireta para o interior do plantel (e que, duas semanas antes, contextualiza bem o que se passou).

“Mas é notícia que um plantel pudesse estar irritado com um presidente cuja missão é liderar o clube que lhes paga e exigir deles sempre o máximo, a vitória ou que cumpram as regras ou ordens? Mas agora estamos naquela teoria ridícula de que não se pode dar uma palmada ou um puxão de orelhas num filho, pois afeta o seu ‘desenvolvimento emocional’? Fora de questão! Isso é a teoria dos pais que têm medo de educar. Se, perante isto, os filhos amuarem, em vez de um problema ficam com dois. O primeiro é aprenderem de vez as regras, e o segundo (quando amuam) é terem de o deixar de estar… Em casa mandam os pais, nos clubes mandam os presidentes (legitimados pelos associados). Deixem lá de tentar arranjar confusões! Aqui no Sporting é tudo muito claro quanto às pirâmides e regras. Como diria o meu tio-avô: ‘O povo é sereno. É só fumaça!’. Para ser notícia a sério, teria de ser: ‘Presidente irritado com o plantel…’. Isso sim, era um problema a sério e poderia ser notícia!”, escreveu no Facebook.

Os dias seguintes foram marcados por uma série de críticas e ataques ao rival Benfica, sobretudo ao homólogo Luís Filipe Vieira, e ao Sp. Braga, próximo adversário dos leões no Campeonato, a propósito da dívida ainda por liquidar (e do valor em si) da transferência de Battaglia para Alvalade, entre outros. Chegávamos a 31 de março e ao momento da verdade: o encontro da Pedreira iria responder se o Sporting iria lutar até ao fim pelo Campeonato ou se ficaria de forma quase irremediável afastado da corrida ao título. Apesar da boa exibição na primeira parte de um encontro que marcou o regresso de Bruno de Carvalho ao banco de suplentes, os leões acabaram por perder quando já estavam reduzidos a dez unidades, com um golo de Raúl Silva aos 87′. No fim, a cara do presidente verde e branco dizia tudo: um objetivo, ou o grande objetivo, transformara-se numa espécie de miragem.

“Não é tempo de levantar a cabeça, é tempo de a baixar! Baixar e olhar bem para o símbolo que trazemos no peito. E depois termos todos a capacidade de refletir se somos dignos de o usar. Isto desde dirigentes, aos atletas, aos treinadores e aos adeptos/sócios. O povo diz que as desculpas não se pedem, mas evitam-se. Pois eu tenho de pedir desculpa aos quase 2.000 adeptos/sócios que vieram a Braga apoiar a equipa. E tenho de pedir desculpa aos 3.5 milhões de sportinguistas que, mais uma vez, sentem tristeza e desalento quando mereciam tanto ser felizes”, resumiu num post no seu Facebook após o encontro, em declarações que tiveram grande eco na imprensa.

Conquistada a Taça da Liga, sobrou a resignação de perceber que a conquista do Campeonato tinha ficado mais longe. Demasiado longe. Mas havia ainda mais duas provas em disputa, os quartos da Liga Europa e as meias da Taça de Portugal. E a esperança que os leões pudessem regressar a uma final europeia, a sua terceira em termos históricos. Impedido de viajar a Madrid (esteve em contacto com o líder dos colchoneros para explicar de viva voz o porquê da ausência, por estar prestes a ser pai), Bruno de Carvalho defendeu Jorge Jesus no seu Facebook e numa entrevista à agência EFE, ao mesmo tempo que pediu o “dobro” à equipa antes da viagem para manter as aspirações de passagem às meias intactas. Essa conversa no balneário foi descrita como uma conversa normal de um presidente com um plantel que tinha o mesmo objetivo. Era ali que estava o “ouro” para o que faltava da temporada, mas a derrota por 2-0, não sendo decisiva, pedia uma noite de quase milagre em Alvalade para seguir em frente.

“O que queria ter visto: uma equipa concentrada, com atitude e compromisso, defensivamente irrepreensível e com faro de golo. De 11 superarem-se e tornarem-se 22. O que vi: uma equipa com atitude mas com uma defesa que não esteve concentrada. Coates e Mathieu a fazerem o que os avançados do Atlético não conseguiam. E o 2-0 a surgir sem nada terem feito para isso, a não ser (e não é pouco) marcarem. Gelson, aos 32 minutos, isolado frente a Oblak, em vez de ‘fuzilar’ para a esquerda, tenta colocar em jeito, mas sem força, para o lado direito perdendo um golo que já quase se gritava. De 11, em vez de 22 como queria, fomos 9, muitas vezes, e isso paga-se caro… Fábio e Bas Dost “não quiseram jogar” em Alvalade, com faltas para amarelo que nunca poderiam ter feito (…) Agora, em vez de podermos resolver mais fácil em Alvalade, resta-nos sonhar com a reviravolta. É possível? É! Era necessário este resultado de hoje? Não! Viver um jogo de longe custa muito mais, mas ver erros grosseiros de jogadores internacionais e experientes ainda acrescenta mais ao sofrimento”, publicou no seu Facebook após o final do jogo. Para os jogadores, que souberam entre a zona mista do Wanda Metropolitano e o hotel, foi uma espécie de gota de água.

A comitiva verde e branca chegou a Lisboa pouco depois das 10h30, tendo seguido de imediato para o estádio José Alvalade, onde os titulares fariam banhos e massagens e os restantes um treino normal. Os jogadores com mais peso no balneário esperavam encontrar Bruno de Carvalho por ali, como já tinham pedido na véspera, mas o presidente dos leões encontrava-se num encontro na Procuradoria-Geral da República. A ideia de fazer uma espécie de comunicado conjunto que seria partilhado por todos os jogadores começou a ser ponderada nesse lapso de tempo em que o grupo estava no balneário à espera de novidades sobre quando poderia haver esse encontro. Alguns jornais foram informando que a “rebelião” tinha feito com que os jogadores recusassem treinar; o clube, em comunicado colocado no site oficial, desmentiu essa informação. Ao Observador, explicaram algo que fica no meio termo: o grupo admitiu que nada faria enquanto Bruno de Carvalho não tivesse uma conversa sobre o assunto, mas foi o próprio Jorge Jesus, que estava a servir de mediador do conflito, que “mudou” o trabalho que estava preparado.

Muita coisa foi falada no balneário enquanto se fazia esse compasso de espera. Por exemplo, a hipótese de poder fazer greve aos treinos sem que isso beliscasse a participação nos jogos. Ou o tal comunicado conjunto. Bruno de Carvalho, ao ser alertado para o que se estava a passar, ficou furioso e se, numa primeira instância, havia a garantia de que falaria com os jogadores durante o fim de semana antes da receção ao P. Ferreira, acabou por endurecer a posição, dizendo que o plantel tinha de respeitar as ordens do presidente e do técnico e que a tal reunião nunca seria antes do encontro deste domingo em Alvalade. Os jogadores ficaram ainda mais revoltados e, quando saíram do estádio, por volta das 13 horas, já pensavam no texto que seria partilhado por todos nas redes sociais. Jorge Jesus tentou demover essa intenção junto dos capitães, sem sucesso; Bruno de Carvalho também falou com um dos capitães, com igual resultado. Contava-se apenas o tempo para que fosse lançada a “bomba”.

Com a ajuda de terceiros, por forma a que ficasse também acautelada a garantia de que não quebravam qualquer linha do regulamento interno, o texto ficou pronto e começou por ser partilhado por 14 jogadores, entre os quais os capitães Rui Patrício, William Carvalho e Coates, a que se juntaram Piccini, Gelson Martins, Battaglia, Fredy Montero, Acuña, Bruno Fernandes, Daniel Podence (que, ao contrário dos companheiros, decidiu colocar o símbolo do Sporting a negro na publicação), Bruno César, João Palhinha, Rúben Ribeiro e Bryan Ruíz. “Não podemos pensar apenas no ‘Eu’, mas sim no ‘Nós’” e “A nossa integridade e o nosso compromisso são sagrados!” são algumas das frases que anunciam o grande objetivo da missiva. “Espelhamos neste texto o nosso desagrado, por vir a público as declarações do nosso presidente, após o jogo de ontem, no qual obtivemos um resultado que não queríamos”, destacaram, acrescentando: “Apontar o dedo para culpabilizar o desempenho dos atletas publicamente, quando a união de um grupo se rege pelo esforço conjunto, seja qual for a situação que estejamos a passar, todos os assuntos resolvem-se dentro do grupo”. Para Bruno de Carvalho, foi também a gota de água.

A decisão a ter caso o texto saísse mesmo para a esfera pública já estava tomada pelo presidente, mas a verdade é que o líder verde e branco nunca acreditou que o plantel tomasse mesmo essa posição de força. Assim, e num post colocado apenas no perfil para amigos do Facebook, anunciou que todos os que tinham subscrito a mensagem iriam ser suspensos de imediato. “Meninos amuados, então vamos resolver… No Sporting não se vive na República das Bananas. Todos os atletas que escreveram o que em baixo descrevo estão imediatamente suspensos, tendo de enfrentar a disciplina do clube”, escreveu. “Já estou farto de atitudes de miúdos mimados que não respeitam nada nem ninguém, como por exemplo os adeptos relativos aos quais já ouvi comentários do mais baixo possível. Estas crianças mimadas julgam que vão longe, mas desta vez a minha paciência esgotou-se para quem acha que está acima do clube e de qualquer crítica. Começam com ‘Somos Sporting’ e que não existe um ‘Eu’ mas um ‘Nós’, sendo que isso não passa de uma mera fantasia pois na realidade não o são. São profissionais rotativos e o que lhes interessa não é o ‘Eu’ ou o ‘Nós’. Só lhes interessa o ‘Eles’”, acrescentou. O terramoto tinha o seu epicentro.

Mais tarde, outros cinco jogadores subscreveram também o texto (Doumbia, Fábio Coentrão, Ristovski, Rafael Leão e Wendel), o que dava apenas, na teoria, sete jogadores disponíveis para Jorge Jesus no domingo: Salin, André Pinto, Mathieu, Lumor, Petrovic, Misic e Bas Dost. No entanto, segundo soube o Observador, estava “adulterado”: o avançado holandês, por exemplo, que não tem particular atividade nas redes sociais, surge como um dos jogadores que não partilhou a mensagem mas é dos mais indignados com o que se está a passar (até por ter sido um dos elementos citados por Bruno de Carvalho no Facebook após a derrota em Madrid) e fará ver isso mesmo este sábado, na altura do primeiro treino (que será o penúltimo antes do jogo com o P. Ferreira, o que se junta outro na manhã de domingo apenas de desentorpecimento muscular e trabalho de lances de estratégia) depois da polémica. Ao mesmo tempo, o jornal Record avança que Rúben Ribeiro e Doumbia retiraram entretanto a mensagem. Wendel também se juntou ao lote.

Depois da reação crítica dos jogadores às suas palavras, Bruno de Carvalho foi contactando Jorge Jesus (que mostrou sempre solidariedade institucional com a decisão tomada) e André Geraldes, team manager da equipa principal. Ao mesmo tempo, foi trocando mensagens e chamadas com outras pessoas ligadas ao universo Sporting, tentando fazer ver que não poderia deixar sem resposta aquilo que considerou ser uma rebelião sem sentido. Da parte dos jogadores, que estão a ser liderados pelos três capitães, a preocupação passa por fazer tudo by the book enquanto o problema não se resolve, para que o clube nada tenha a apontar em caso de (maior) extremar de posições. Já à noite, alguns atletas terão recebido por email notificações do Sporting, alegando terem faltado ao respeito ao presidente do clube. Ainda assim, uma nota de culpa apenas tem validade quando entregue em mão.

A imprensa desportiva avançou este sábado que Fábio Coentrão poderia já ter sido dispensado, no seguimento de uma troca de mensagens mais acalorada com Bruno de Carvalho. O presidente leonino não gostou de perceber que o lateral era um dos principais jogadores contestatários, por considerar que fez um enorme esforço para poder trazê-lo para Alvalade na presente temporada e, em paralelo, promover um contexto que permitisse uma melhor aceitação por parte dos adeptos verde e brancos depois da promessa de que em Portugal só jogaria no Benfica; já o jogador defendeu que deu sempre tudo pelos leões, mesmo em situações onde estava fisicamente limitado. A conversa existiu mas o Observador confirmou que não houve qualquer dispensa.

Esta manhã, o Observador soube que existe ainda a hipótese de um volte face ao longo do dia, que pudesse permitir a Jorge Jesus contar com todos os elementos do plantel principal para o encontro com o P. Ferreira. No entanto, e em paralelo, a possibilidade de voltar a haver uma sã convivência entre plantel e presidente, depois do atual extremar de posições, é um cenário tido por fontes ligadas aos dois lados como “impossível”. Ao longo do dia, muitas mais novidades irão surgir, mas haverá sempre um antes e depois de 6 de abril de 2018 no Sporting. Com uma particularidade: as opções de Luís Martins e Tiago Fernandes nos jogos da equipa B e dos juniores irão mostrar se existem ou não poupanças para o encontro do conjunto principal. Em paralelo, Jorge Jesus tem uma conferência de imprensa marcada para Alvalade às 15 horas, seguindo-se o treino mais tarde na Academia, em Alcochete.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)