Marcelo Rebelo de Sousa

Marcelo Rebelo de Sousa diz que “milagre na economia” começou com Passos Coelho

4.523

Em entrevista ao jornal espanhol La Voz de Galicia, Presidente da República diz que a recuperação económica em Portugal foi um "milagre a dois tempos". Passos iniciou o "milagre", Costa preservou-o.

MANUEL FERNANDO ARAÚJO/LUSA

O Presidente da República defende que a recuperação económica em Portugal foi um “milagre a dois tempos”, um “milagre” que não começou em 2015 ou 2016 mas, sim, no tempo do governo anterior, liderado por Passos Coelho. De quem é o mérito, então? “Dos portugueses, que souberam sofrer sacrifícios muitos pesados”, responde.

Em entrevista ao jornal espanhol La Voz de Galicia, Marcelo comenta as notícias recentes sobre a economia portuguesa lembrando que houve um “primeiro tempo, a primeira fase do milagre, que foi o período crítico em que os portugueses souberam sofrer sacrifícios muito pesados sem os quais não teria sido possível a segunda fase do milagre”.

Houve “mérito, há que dizê-lo, do governo anterior, do dr. Pedro Passos Coelho. O milagre começou aí”, atira Marcelo Rebelo de Sousa. Mas houve, então, uma “segunda fase do milagre, que foi quando com o novo governo — com uma composição oposta da anterior e apoiado por partidos que tinham uma posição muito crítica das políticas anteriores — se receou que pudesse romper com a recuperação das finanças públicas, isso não aconteceu”.

“Houve essa determinação — o que é mérito do primeiro-ministro, António Costa, e do seu governo; é mérito dos partidos que apoiaram o governo. Eu diria que foi um sinal de grande maturidade política”, remata o Presidente da República.

Na entrevista, o chefe de Estado assume que a sua relação com António Costa “foi sempre boa e igual”.

“Em primeiro lugar, porque defendo que o Presidente deve dar-se bem com o primeiro-ministro, com os órgãos de soberania e com os partidos políticos. Estou permanentemente em contacto com o chefe do Governo, não só nas audiências semanais, em bons e maus momentos, como foi o caso das tragédias dos incêndios. Além disso, conhecemo-nos muito bem há décadas, já que ele foi meu aluno na Faculdade de Direito de Lisboa”, recordou.

O chefe de Estado português mostra a sua satisfação por o executivo de Costa ter convencido a União Europeia e os mercados e continuar estável a pouco mais de um ano das eleições legislativas.

“É uma satisfação que esse Governo, no qual ninguém acreditava internacionalmente, tenha convencido Bruxelas, os mercados e continue estável a um ano e poucos meses de acabar a legislatura”, assume o Presidente, para quem o “ponto de inflexão” foi o “início de 2017”.

Marcelo congratula-se também pela solidez do sistema político, tanto à esquerda como à direita.

“Temos um sistema político forte à esquerda e à direita, que oferece alternativas aos portugueses e evita o surgimento de populismos”, sublinha.

Congratula-se também por ter “desaparecido a crispação entre a esquerda e a direita” que surgiu após a eleições de 2015, ganhas por Passos Coelho, mas que não conseguiu formar Governo, dando lugar ao executivo socialista apoiado pelo PCP e BE.

Na entrevista, Marcelo Rebelo de Sousa salienta que a visita de Estado que fará a Espanha entre 16 e 18 deste mês será “muito importante”.

“Não foi por acaso que o rei de Espanha foi meu convidado especial na tomada de posse. Isso permitiu criar uma aproximação que corresponde à excelência atual das relações políticas entre o reino de Espanha e Portugal”, frisa.

O Presidente português lembra a visita dos reis de Espanha a Portugal, que foi “um grande sucesso”, e classifica o estado atual das relações bilaterais assinalando a “grande proximidade não intelectual e emotiva” e o “fenómeno espantoso de complementaridade e de colaboração constante”

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt
Greve

Há lodo no cais /premium

Luis Teixeira

As considerações jesuíticas que o CSM fez em causa própria, ao defender para os juízes a “dupla condição” de orgão de soberania e de “profissionais” não passam de um miserável exercício de hipocrisia.

Austeridade

Os custos das escolhas estão aí /premium

Helena Garrido

Todas as escolhas têm custos. Mesmo que à primeira vista não pareçam. Os custos das escolhas financeiras feitas pelo Governo estão agora visíveis na Saúde e nos Transportes, agravando as desigualdades

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)