Jornalismo

New York Times e The New Yorker ganham Prémio Pulitzer por reportagens sobre Weinstein

Reportagens do jornal The New York Times e da revista The New Yorker ganharam o prémio na categoria 'Public Service'. Cobertura da ingerência russa nas eleições americanas venceu noutra categoria.

Getty Images

O jornal The New York Times e a revista The New Yorker ganharam esta segunda-feira o Prémio Pulitzer na categoria ‘Public Service pelas reportagens feitas no caso do escândalo sexual que envolveu Harvey Weinstein. As peças jornalísticas revelavam as histórias de várias mulheres que acusaram o produtor de abuso sexual. Além disso, mostravam como é que Weinstein conseguiu esconder estes casos durante vários anos.

O impacto destas histórias rapidamente tomou outras proporções: vários homens e mulheres denunciaram os abusos que tinham sofrido durante vários anos nas mais variadas áreas, como o entretenimento, o desporto ou a música, naquilo que ficou conhecido como o movimento #MeToo. O ator Kevin Spacey, o antigo médico da seleção americana de ginástica Larry Nassar e o maestro James Levine foram algumas das pessoas que viram os seus nomes mencionados.

A cobertura à investigação feita à ingerência russa nas eleições norte-americanas de 2016 também foi premiada, mas na categoria ‘National Reporting’. Os vencedores foram o The Times e o The Washington Post. O The Press Democrat of Santa Rosa ganhou o prémio para ‘Breaking News Reporting’ pela cobertura dos fogos florestais na Califórnia em 2017, que mataram 44 pessoas e destruíram mihares de casas.

Os Pulitzer fora anunciados na Universidade de Columbia, naquela que foi a 102.ª edição dos prémios criados por Joseph Pulitzer. Os vencedores do prémio ‘Public Service’ recebem uma medalha de ouro e os outros premiados recebem 15 mil dólares (cerca de 12 mil euros).

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Páscoa

A Boa Nova, os boatos e as ‘fake news’

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

O Evangelho é, etimologicamente, a boa nova, mas não faltam pessoas que pensam que é um boato sem fundamento ou, pior ainda, mais uma ‘fake news’.

Política

Humilhadas e ofendidas

Alberto Gonçalves
314

O problema põe-se ao contrário: a maioria das senhoras (e dos cavalheiros, calculo) é competente o bastante para evitar a política e deixá-la ao cuidado dos que, independentemente do sexo, não são.

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site