“A jovem foi ameaçada, manietada e dominada pelos cinco condenados. Usaram-na como um mero objeto. Levaram-na para uma arrecadação. Em nenhum momento ela dá qualquer sinal de querer envolver-se em atos de caráter sexual. Ainda assim, e sem reserva, os juízes não vêm aqui uma violação porque não houve violência física.” É assim que o jornal El Español resume o caso ‘La Manada’, nome atribuído ao grupo de cinco homens que foi condenado a nove anos de prisão, não por violação, mas sim por abuso sexual de uma jovem de 18 anos.

Aos pedidos de justiça, seguiram-se os gritos de indignação após a sentença. “Não é agressão, é violação. Não é agressão, é violação.” ouviu-se nas ruas de Madrid totalmente preenchidas por milhares de manifestantes. As estimativas da polícia nacional apontam para 10 mil pessoas, ainda que as organizadores dos protestos apontem para 50 mil reunidas na zona em redor do Ministério da Justiça.

La Manada: nove anos por abuso sexual, e não violação, de jovem em Pamplona

Os ecos desses protestos conseguiam ouvir-se na sala de tribunal onde o juiz Francisco Cobos leu a sentença dos cinco acusados: José Ángel Prenda, Alfonso Cabezuelo, Antonio Manuel Guerrero, Jesús Escudero y Ángel Boza. Eram gritos de desacordo com os juízes que não viram qualquer violação no caso, apenas abuso sexual.

Parece-nos indigno que que violar em Espanha custe apenas nove anos”, lamentou Carlota Álvarez, do Movimento Feminista de Madrid, que convocou a manifestação. Críticas que têm incendiado as redes sociais e partilhadas por várias personalidades, como é o caso do líder do Podemos, Pablo Iglésias (que fala em “vergonha e asco”), ou do economista Alberto Garzón (que acusa os juízes de “machismo” e de decidirem uma “sentença miserável”).

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Os protestos estão a encher as ruas em várias cidades espanholas e o sentimento de indignação face à sentença de ‘La Manada’ está a ser partilhado por vários meios e personalidades, mesmo fora de Espanha. Um desses casos é a atriz Jessica Chastain. “Cinco estranhos dizem a uma adolescente intoxicada que a acompanham até ao carro. Em vez disso, levam-na para outro sítio onde a filmam a ser violada. Ficar imóvel e de olhos fechados não significa dar consentimento. Isso não é abuso sexual. É violação”, escreveu a atriz no Twitter.

Num outro tweet, Jessica Chastain questiona mesmo a lei espanhola e recorda o número de mulheres mortas devido a casos de agressão sexual. Usando vários hashtags, como #NoEsNo, #YoSiTeCreo #NoEsAbusoEsViolacion ou #LaManadaSomosNosotras, continuam as convocatórias nas redes sociais para protestos em vários pontos do país.