A Comissão Europeia “tomou nota” da decisão do Governo norte-americano, que adiou por 30 dias a imposição das novas tarifas sobre as importações de aço e alumínio para os países da União Europeia, e avisou que “não negociará sob ameaça.” “A decisão dos EUA prolonga a incerteza dos mercados, que já está a afetar as decisões das empresas”, criticou o executivo da comunidade europeia em comunicado divulgado esta terça-feira.

Bruxelas defende que os seus Estados membros devem gozar de uma isenção “total e permanente”, uma vez que as medidas que a administração dos EUA ameaça aplicar “não podem ser justificadas com base na identidade nacional”.

Neste contexto, a Comissão recordou que “o excesso de capacidade nos sectores do aço e do alumínio não é originário da União Europeia (UE)”, mas “pelo contrário, a UE comprometeu-se nos últimos meses, a todos os níveis possíveis com os EUA e outros parceiros, a encontrar uma solução nesta matéria.”

Bruxelas também enfatizou que “continuamente” a União tem mostrado abertura para abordar todas as questões sobre o acesso ao mercado de interesse de ambas as partes, mas também deixou claro que, como parceiro e amigo dos Estados Unidos, “não vai negociar sob ameaça”.

“Qualquer futuro programa de trabalho transatlântico deve ser equilibrado e mutuamente benéfico”, acrescentou naquele comunicado.

O executivo acrescenta que a Comissária Europeia do Comércio, Cecilia Malmstrom, esteve em contacto nas últimas semanas com o Secretário de Comércio dos EUA, Wilbur Ross, e com o representante comercial dos EUA, Robert Lighthizer, e que esses contactos “vão continuar”.