“Não me incomoda nada que eles [PJ] venham cá, desconheço se esta investigação envolve outros clubes, mas tudo isto leva-nos a equacionar se o SLB continuará a contratar ou emprestar jogadores em Portugal” , afirmou Luís Filipe Vieira, o presidente do Sport Lisboa e Benfica, numa conferência de imprensa convocada na manhã desta segunda-feira, 25 de junho, no seguimento das buscas que visaram, entre outros, o clube da Luz.

Aos jornalistas, Vieira começou por realçar o facto de todos os processos que envolvem as águias terem como origem a cidade do Porto e respetivos órgãos judiciais e policiais e deixou logo claro que está “seguro que estas diligências, vão clarificar o Benfica de qualquer suspeição.”

De ar sério, o dirigente explicou que “o que está aqui em causa é a idoneidade dos clubes e jogadores”, realçando logo de seguida que “não é por uma mentira ser muitas vezes repetida que se torna verdade” e que “não é por existirem muita investigações com base em denuncias anónimas que elas são comprovadas” — cita o exemplo do caso dos vouchers, que já foi encerrado.

Estas novas buscas e investigações têm por base o pressuposto de que o Benfica terá, alegadamente, tentado corromper partidas de futebol com recurso a jogadores emprestados. Sobre essa vertente das suspeitas, Vieira afirmou que “partindo do pressuposto que todos os clubes em Portugal  emprestam e contratam jogadores, todos devem estar sob investigação. Dá-me ideia que nem é o Benfica o clube que empresta mais jogadores.”

Sobre o efeito nefasto que estes recorrentes incidentes têm em “relação a pessoas, instituições e jogadores”, o dirigente diz apenas: “Isto tem de acabar”.

Reiterando a inocência do Benfica neste caso, o presidente benfiquista afirmou que “nada naquela denúncia faz sentido”, até porque  “um dos jogadores que está lá [no mandato de buscas] como emprestado já não” é do Benfica “há mais de dois anos.”

Vieira foi questionado várias vezes sobre se suspeitava de quem estaria por trás destas denúncias anónimas, mas ripostou sempre sem dizer nada em concreto. “Quem faz essas denúncias, não sei o que pretende”, disse, acrescentado pouco depois que  “se vamos começar o campeonato assim, já sabemos como é que se está a coagir e condicionar pessoas”.

A ameaça de que os encarnados podem deixar de comprar e emprestar jogadores em Portugal não deverá ser posta em prática nesta pré-época, mas, especialmente no caso dos empréstimos, a medida pode mesmo ir em frente, com exceção feita “aos jogadores da formação”.

Houve ainda uma referência sublimar, quando questionado de novo sobre o autor das denúncias anónimas, a Francisco J. Marques, “o senhor que aparece todas as semanas na televisão” e que “parece um daqueles espantalhos para espantar pardais”.

Operação ‘Mala Ciao’:PJ do Porto faz buscas na SAD do Benfica por suspeitas de corrupção