O Sporting preparou um extenso documento com mais de 60 páginas que terá entretanto enviado para a Câmara de Resolução de Litígios da FIFA, a propósito da rescisão unilateral de contrato de Rui Patrício, guarda-redes que entretanto já se vinculou com o Wolverhampton, da Premier League inglesa. No documento, onde são explicados e rebatidos vários pontos dos motivos que levaram o jogador a revogar o seu vínculo, é pedida uma indemnização acima dos 54 milhões de euros. No entanto, os novos responsáveis da SAD leonina poderão “congelar” este pedido, numa decisão que deverá ser tomada muito em breve.

Na carta assinada pelos advogados verde e brancos, a que o Observador teve acesso, a equipa liderada pelo espanhol Juan de Dios Crespo Pérez explica o valor do ordenado do antigo capitão no contrato que tinha até 2022, a cláusula de rescisão que estava previsto no mesmo e tentar rebater vários argumentos invocados pelo internacional português para a cessação do vínculo. Logo à cabeça, o Sporting pede o valor integral da cláusula prevista, 45 milhões de euros, mais os salários a receber até ao final da ligação, que ascendem a mais 9,7 milhões de euros, incluindo os quatro anos ainda em falta (cerca de 9,5 milhões) mais uma pequena verba relativa a subsídios de férias e de Natal, de pouco menos do que 200 mil euros.

Em paralelo, são referidos assuntos que foram amplamente debatidos após a rescisão, nomeadamente as mensagens escritas que Bruno de Carvalho enviou aos jogadores e a Patrício, enquanto capitão (; a ação prevista e falhada para apoiar o lançamento de uma campanha da Fundação Sporting; a ausência do antigo líder verde e branco no jogo em Madrid por doença; e, no ponto mais destacado, a falta de uma ligação “concreta” entre o ataque na Academia e os responsáveis verde e brancos.

Na carta que foi também enviada ao Wolverhampton e à Gestifute, existe ainda outro dado curioso: na argumentação de que é normal dirigentes fazerem algumas críticas públicas aos jogadores, são apresentados vários exemplos como Michael Zorc, diretor desportivo do B. Dortmund, depois de um empate dos germânicos; Mauricio Pochettino, treinador do Tottenham, que falou do profissionalismo de Luke Shaw; ou… José Mourinho, atual técnico do Manchester United, quando referiu que a equipa não tinha sido tão consistente como devia porque não perdeu pontos para os rivais mas acabou por somar alguns resultados menos positivos frente a equipas como o West Bromwich Albion, o Stoke City ou o Southampton, ao mesmo tempo que tocou em desempenhos mais fracos de alguns jogadores em alguns encontros. “Como fica bem ilustrado, as declarações feitas pelo presidente não são tão incomuns quanto isso. Esta mensagem não constitui qualquer violação do dever profissional do funcionário nem deve fazer com que o jogador termine um contrato com justa causa”, argumenta a missiva.

Mais à frente, após ser garantido que o Sporting “partilha a mesma indignação” sobre o que aconteceu na Academia, ao mesmo tempo que especifica os novos procedimentos de segurança, são também reveladas mensagens enviadas (e respondidas) a alguns jogadores a 21 de abril, casos de Fredy Montero, Rúben Ribeiro ou Lumor, para destacar que “ao mostrar tamanha confiança na equipa, numa clara tentativa de apaziguar e reconciliar” (“Acredito na equipa que escolhi para representar nas quatro linhas. Vamos ganhar, ganhar, ganhar, ganhar e ganhar. E depois destas quatro vitórias, vamos erguer juntos a Taça de Portugal! Saibam distinguir os inimigos de quem só quer o maior e o melhor para nós!”, escreveu Bruno de Carvalho). É também referido que “os atacantes procuraram especialmente o jogador de futebol Marcos Acuña e atacaram Bas Dost”.

“Tendo em vista esta mensagem, os jogadores referidos responderam de forma positiva às palavras do presidente do clube, agradecendo e mostrando compromisso para alcançar os objetivos desportivos. Todos responderam exceto o jogador, cujo o silêncio foi particularmente ultrajante considerando a sua condição de capitão do clube”, acrescenta, antes de acrescentar mais uma SMS enviada por Bruno de Carvalho a Rui Patrício, pedindo outro comportamento por parte dos capitães de equipa. Há também relato na argumentação de outras mensagens enviadas ao guarda-redes, sem que existisse qualquer resposta.

“O comportamento do Primeiro Respondente [Rui Patrício] foi difícil de interpretar pelo clube e pode ser possível de entender apenas se considerarmos a existência prévia do desejo de sair do clube. O jogador não fez nada para resolver (potencialmente) os problemas. Nunca sugeriu qualquer solução mitigada, destinada a avaliar o desconforto, optando apenas imediatamente, e sem aviso prévio ou solução alternativa antes discutida, por comunicar a sua decisão de rescindir contrato com efeito imediato”, diz, antes de dar também o exemplo do conflito que envolveu Matuzalém, Shakhtar e Saragoça.

Agora, de acordo com informações recolhidas pelo Observador, é muito provável que este processo acabe por ficar “congelado” pelos novos responsáveis leoninos. Tudo porque, numa primeira instância, a grande prioridade é conseguir trazer de novo para o clube alguns dos jogadores que rescindiram contrato, casos de William Carvalho, Gelson Martins ou Bruno Fernandes, seja para permanecerem no conjunto leonino, seja para encontrarem uma solução que possa beneficiar todas as partes. No caso de Rui Patrício, até por já ter assinado pelo Wolverhampton, esse cenário já não se coloca, mas existe a ideia de que uma solução a bem do caso, com o pagamento de uma verba por parte dos ingleses pelo passe do internacional português, não só evita guerras que podem ser longas em tribunais mas dá também um sinal para os outros companheiros que saíram. Ao mesmo tempo, é um encaixe que pode entrar a curto prazo e que faz falta à SAD do Sporting.