Rádio Observador

Caso Ricardo Robles

Catarina Martins envolve Marcelo na defesa de Ricardo Robles. Belém não gostou e desmente que haja diplomas à espera de decisão

4.208

Catarina Martins justificou notícias sobre Robles com pressões por causa de projetos de lei "à espera de promulgação por Belém". A Presidência desmente que haja diplomas a aguardar decisão

MÁRIO CRUZ/LUSA

Na tentativa de defender o senhorio Ricardo Robles, Catarina Martins podia ter arranjado um problema com um inquilino, neste caso, o do Palácio de Belém. Um dia depois de o Jornal Económico ter avançado que Robles, vereador do Bloco em Lisboa, tinha posto à venda por 5,7 milhões de euros um prédio comprado em Alfama por 347 mil, a coordenadora do Bloco de Esquerda saiu a terreiro para criticar “as notícias mal contadas” e as “capas de jornal falsas” sobre o assunto.

“Dois dias seguidos em que há capas de jornal falsas sobre o ⁦@ricardorobleslx⁩ quando há projetos de lei à espera de promulgação por Belém para reforçar o direito de preferência. Compreendo que o que o Bloco está a fazer incomode interesses imobiliários. Mas o Bloco não se deixa intimidar”, escreveu Catarina Martins no Twitter, já depois de ter feito declarações aos jornalistas no mesmo sentido, durante a visita ao acampamento de jovens do partido.

O argumento utilizado por Catarina Martins para defender Ricardo Robles dá a entender que os diplomas em causa, que justificam os “incómodos aos interesses imobiliários”, estão parados em Belém. E esta tentativa de envolver Marcelo no problema não caiu bem na Presidência.

O Presidente estava em visita oficial à Áustria quando rebentou o caso Robles, na sexta-feira, e este sábado, já em Lisboa, esteve na cerimónia em que José Tolentino de Mendonça foi ordenado arcebispo sem que, em nenhum destes momentos, tenha abordado o caso do vereador do BE na Câmara Municipal de Lisboa.

Ao Observador, fonte de Belém esclarece aliás que “não há, neste momento, nenhum diploma da Assembleia da República a aguardar decisão do Presidente”.

Um pormenor que o Bloco desvaloriza. No sábado à noite, já depois da resposta da Presidência, o partido admitia que o diploma pudesse não ter ainda chegado a Belém. Já este domingo, o Bloco confirmou num esclarecimento oficial que o projeto de lei — que considera ter “um enorme impacto” — foi aprovado na última sessão do plenário, a 18 de julho, mas ainda não foi enviado pelos serviços do Parlamento.

“O Parlamento aprovou recentemente uma lei, proposta pelo Bloco de Esquerda, que garante que os inquilinos podem exercer o direito de preferência em caso de venda da casa que habitam.  Esta lei foi aprovada e a fixação da redação final foi validada na manhã da última quinta-feira pela Comissão competente. Cabe aos serviços da Assembleia, como em qualquer outro caso, enviar o diploma para promulgação do Presidente da República.”

Ao contrário do que disse Catarina Martins, o diploma pode não estar ainda em Belém, mas há-de estar. E é isso que o Bloco prefere destacar, mantendo a pressão sobre Marcelo Rebelo de Sousa: “É uma proposta de enorme impacto, que responde, por exemplo, aos despejos que a Fidelidade está a fazer. O Bloco de Esquerda, considerando que é urgente proteger os inquilinos e garantir o direito de preferência sobre a sua habitação, espera que esta lei seja promulgada pelo Presidente da Republica o quanto antes.”

E a que se refere o partido quando fala do caso Fidelidade? Em finais de junho ficou a saber-se — através de uma notícia do jornal Público — que a seguradora Fidelidade estaria a vender 277 imóveis em todo o país (quase 2.085 fogos) sem que que os arrendatários pudessem exercer o direito de preferência.

A seguradora terá enviado uma carta aos arrendatários a dar conta que o direito de preferência teria de ser exercido não sobre cada fração, mas sobre todo o conjunto imobiliário.

O projeto do Bloco pretende evitar casos como este, obrigando a que os proprietários que queiram vender imóveis a individualizar cada uma das frações, constituindo propriedade horizontal dos vários fogos. Assim, os inquilinos podem exercer o direito de opção sobre a casa que habitam.

Notícia atualizada às 12:33 de domingo com o esclarecimento oficial do Bloco de Esquerda

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: nvinha@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)