Rádio Observador

Caso Ricardo Robles

Caso Robles: Catarina Martins acusa PSD de hipocrisia e cinismo

2.288

Catarina Martins afirmou que o PSD está a "perseguir" o Bloco de Esquerda ao pedir a demissão de Robles e que devia "tirar consequências das investigações que está a ser alvo", como o caso Visto Gold.

Catarina Martins é coordenadora do Bloco de Esquerda

FERNANDO VELUDO/LUSA

“A notícia foi mal contada.” Foi assim que Catarina Martins reagiu esta manhã às notícias do caso Robles. Pelo caminho acusou o PSD de hipocrisia e deu a entender que não foi por acaso que as notícias da venda do prédio de Ricardo Robles viram agora a luz do dia, quando o Bloco tem iniciativas legislativas que vão pôr em causa muitos interesses imobiliários. A Coordenador Nacional do Bloco de Esquerda, afirmou, em resposta ao jornalista no acampamento de jovens do partido, que o pedido de demissão feito pelo PSD Lisboa ao vereador bloquista Ricardo Robles era incoerente. Depois de ser divulgado que o autarca do BE teve à venda um prédio em Alfama por 5,7 milhões de euros, a bloquista afirma que a “notícia foi mal contada”.

O PSD, que está a ser investigado por problemas tanto de vistos golds, como de financiamento ao partido através de negócios ligados a obras e autarquias, decidiu, em vez de tirar consequências investigações de que está a ser alvo, perseguir o Bloco de Esquerda”, afirmou Catarina Martins, coordenador nacional do Bloco de Esquerda.

“Acho que sobre a hipocrisia e sobre o cinismo estamos conversados”, afirmou ainda Catarina Martins no seguimento do pedido dos sociais-democratas lisboetas. A deputada referiu também que “há leis imobiliárias aprovadas [pelo BE] que põem em causa os interesses imobiliários”, referindo-se à lei que pode vir a alterar os requisitos de direito de preferência permitindo que um proprietário ou arrendatário possa exercer este direito apenas para a própria fração e não para o prédio inteiro.

Quanto às notícias sobre Ricardo Robles, Catarina Martins afirma que este “não ganhou nada”, porque o negócio da venda do prédio nunca chegou a acontecer. Referindo-se a notícias de outros “vários” apartamentos que o autarca detém na capital, como noticiado esta sábado pelo Sol, afirmou que é “mentira” e que o bloquista não é proprietário, criticando a comunicação social. Já esta sexta-feira, como noticiou o Observador e confirmou com Ricardo Robles, o autarca revelou que tem para arrendar por 1300 euros um apartamento, além do prédio em Alfama.

Catarina Martins, quanto à lei do direito de preferência, afirmou que espera que o Presidente da República a promulgue. “O que sei é que neste momento há leis aprovadas que põe em causa vários interesses imobiliários”, disse a política. “Põe em causa grandes negócios como o interesse da Fidelidade”, adiantou nas declarações.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mmachado@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)