Caso Ricardo Robles

Caso Robles: Catarina Martins acusa PSD de hipocrisia e cinismo

2.288

Catarina Martins afirmou que o PSD está a "perseguir" o Bloco de Esquerda ao pedir a demissão de Robles e que devia "tirar consequências das investigações que está a ser alvo", como o caso Visto Gold.

Catarina Martins é coordenadora do Bloco de Esquerda

FERNANDO VELUDO/LUSA

“A notícia foi mal contada.” Foi assim que Catarina Martins reagiu esta manhã às notícias do caso Robles. Pelo caminho acusou o PSD de hipocrisia e deu a entender que não foi por acaso que as notícias da venda do prédio de Ricardo Robles viram agora a luz do dia, quando o Bloco tem iniciativas legislativas que vão pôr em causa muitos interesses imobiliários. A Coordenador Nacional do Bloco de Esquerda, afirmou, em resposta ao jornalista no acampamento de jovens do partido, que o pedido de demissão feito pelo PSD Lisboa ao vereador bloquista Ricardo Robles era incoerente. Depois de ser divulgado que o autarca do BE teve à venda um prédio em Alfama por 5,7 milhões de euros, a bloquista afirma que a “notícia foi mal contada”.

O PSD, que está a ser investigado por problemas tanto de vistos golds, como de financiamento ao partido através de negócios ligados a obras e autarquias, decidiu, em vez de tirar consequências investigações de que está a ser alvo, perseguir o Bloco de Esquerda”, afirmou Catarina Martins, coordenador nacional do Bloco de Esquerda.

“Acho que sobre a hipocrisia e sobre o cinismo estamos conversados”, afirmou ainda Catarina Martins no seguimento do pedido dos sociais-democratas lisboetas. A deputada referiu também que “há leis imobiliárias aprovadas [pelo BE] que põem em causa os interesses imobiliários”, referindo-se à lei que pode vir a alterar os requisitos de direito de preferência permitindo que um proprietário ou arrendatário possa exercer este direito apenas para a própria fração e não para o prédio inteiro.

Quanto às notícias sobre Ricardo Robles, Catarina Martins afirma que este “não ganhou nada”, porque o negócio da venda do prédio nunca chegou a acontecer. Referindo-se a notícias de outros “vários” apartamentos que o autarca detém na capital, como noticiado esta sábado pelo Sol, afirmou que é “mentira” e que o bloquista não é proprietário, criticando a comunicação social. Já esta sexta-feira, como noticiou o Observador e confirmou com Ricardo Robles, o autarca revelou que tem para arrendar por 1300 euros um apartamento, além do prédio em Alfama.

Catarina Martins, quanto à lei do direito de preferência, afirmou que espera que o Presidente da República a promulgue. “O que sei é que neste momento há leis aprovadas que põe em causa vários interesses imobiliários”, disse a política. “Põe em causa grandes negócios como o interesse da Fidelidade”, adiantou nas declarações.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mmachado@observador.pt
Crónica

Portugal, um país à prova de fake news /premium

José Diogo Quintela

Porra Vasily! Então, mas o que é que andas a fazer, pá? Portugal não necessita dos nossos trolls, nem das nossas fake news. Os partidos tradicionais encarregam-se de escangalhar a imagem da democracia

Eleições Europeias

Populismo e eleições europeias

Ricardo Pinheiro Alves

O crescimento do populismo xenófobo é alimentado pelo aumento do populismo igualitário, conduzindo a uma progressiva radicalização da vida pública como se observa actualmente nos países desenvolvidos.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)