O aumento da temperatura, descida dos índices de humidade e vento levou ao aumento do estado de alerta em vários distritos do país. A porta-voz da Proteção Civil afirmou esta terça-feira que as ações de monitorização da floresta foram reforçadas face à onda de calor dos próximos dias, que pode atingir “máximos históricos”.

A 2.ª Comandante Operacional Nacional, Patrícia Gaspar, alertou para o “agravamento significativo da temperatura, a par da diminuição dos níveis de humidade do ar, não sendo ainda espectável a recuperação noturna”. Face a este cenário meteorológico nas próximas 48 horas há “um agravamento dos índices de risco de incêndio rural, em particular amanhã, 1 de agosto”, alertou Patrícia Gaspar.

[frames-chart src=”https://s.frames.news/cards/protecao-civil/?locale=pt-PT&static” width=”300px” id=”500″ slug=”protecao-civil” thumbnail-url=”https://s.frames.news/cards/protecao-civil/thumbnail?version=1525797290365&locale=pt-PT&publisher=observador.pt” mce-placeholder=”1″]

Os distritos que até agora estavam alerta azul, Aveiro, Leiria Porto, Viana do Castelo, Braga e Coimbra, irão  passar para alerta amarelo. Os restantes, que se encontravam em alerta amarelo, passam para alerta laranja.

Temperaturas acima de 30 graus colocam nove distritos em aviso laranja a partir de quarta

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Será, portanto, incrementado à meia noite desta quarta-feira o estado de alerta especial no sistema integrado das operações de proteção e socorro para o combate aos incêndio florestais.

As acções de vigilância serão também reforçadas, tanto a nível distrital como a nível local, através da intervenção da PSP e da GNR.  Marinha e Exército vão reforçar, com mais 19 patrulhas e 76 militares, o apoio à Proteção Civil. Os bombeiros estarão pré-posicionados nas zonas historicamente mais problemáticas para proporcionar uma resposta “mais musculada” no caso de aparecimento de focos de incêndio.