José Maria Ricciardi

Contas de Ricciardi no banco Haitong foram corrigidas e prejuízos quase triplicaram

1.753

A Deloitte reviu as contas do Haitong de 2015 para incluir imparidades que ainda não estavam contabilizadas. Ricciardi, que era o presidente na altura, explica que foi devido ao novo modelo de gestão.

José Maria Ricciardi era presidente executivo do banco Haitong em 2015

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

As contas de 2015 do banco de investimento Haitong, na altura em que José Maria Ricciardi era presidente-executivo, foram reabertas pela Deloitte para corrigir “erros” contabilísticos identificados pela consultora que veio substituir a KPMG no escrutínio e validação dos resultados financeiros. Em causa, conta o Jornal de Negócios na sua edição desta sexta-feira, estavam imparidades que a administração da altura não reconhecera nas contas.

Resultado: com a revisão dos números, os prejuízos do Haitong quase triplicaram. Ou seja, o primeiro relatório mostrava uma tendência de descida dos prejuízos,de 138,5 para 35,4 milhões de euros, devido a uma redução 84% no volume de imparidades e provisões. Com a revisão da Deloitte, o cenário passa a ser outro: o prejuízo do antigo Banco Espírito Santo de Investimento (BESI) — que se tornaria depois no Haitong — passa a ser de 98,3 milhões, quase o triplo, devido a imparidades.

José Maria Ricciardi, que se encontra atualmente na corrida à presidência do Sporting e já sem ligação ao Haitong, explica que a mudança se justificou na altura pela alteração do modelo de gestão do banco de investimento, que passou a ser liderado por Hiroki Miyazato e auditado pela Deloitte. Também a KPMG destaca a mudança acionista (para controlo de um grupo chinês) como parte da explicação e reforça que deixou nota para essa situação e para os valores de imparidades existentes mas ainda não contabilizados.

Os valores em causa, explica Ricciardi ao Observador, “são do conhecimento público, estão nos relatórios e contas e nos auditores”. O que se passou, reforça, tem a ver com os modelos de gestão seguidos.

A redistribuição da amortização de um ‘goodwill’ [a diferença positiva entre o preço de aquisição de uma participada e os seus capitais próprios] deveu-se a uma divisão estratégica de fechar Londres”, operação que a nova gestão chinesa decidiu vender para limpar o impacto nas contas futuras. “Essa estratégia veio a comprovar-se errada”, avalia o executivo, lembrando que após a sua saída, por sua decisão, “os resultados agravaram-se e o banco perdeu a liderança nos lugares em que a tinha”.

Sobre a divulgação destas revisões de contas num momento em que se encontra na corrida à presidência do Sporting, Ricciardi acredita que se trata de “uma campanha negra para tentar afetar a minha credibilidade e reputação como banqueiro, profissão que desenvolvi durante muitos anos, isto tem o propósito de afetar a minha campanha para a presidência do Sporting”.

As mudanças estão identificadas como “correção de erros” no relatório e contas de 2016 publicado no ano passado. O novo auditor detetou insuficiências de imparidades de crédito de 5,2 milhões, “cujos eventos subjacentes à necessidade de reconhecimento de imparidade ocorreram em 2015”. Ou seja, já deveriam ter sido registados. O mesmo acontece com operações em títulos, no valor de 4,9 milhões, cujos eventos subjacentes ocorreram em 2014, detalha o jornal.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)