Rádio Observador

Espanha

A Catalunha está dividida por causa dos laços amarelos

A Catalunha continua partida ao meio. A tensão tem crescido nos últimos dias devido a um símbolo independentista: os laços amarelos. Já houve agressões nas ruas e a discussão é cada vez mais política.

Getty Images

Quem tiver passado pelas ruas de Catalunha nos últimos meses é capaz de ter reparado que, entre bandeiras da região autónoma e bandeiras espanholas, podiam ver-se, aqui e ali, laços amarelos. Os menos atentos poderão não ter reparado nestes símbolos; outros haverá que, apesar de terem dado conta, não terão entendido a simbologia. Mas nas últimas semanas a proliferação de laços amarelos na via pública cresceu de tal forma que nem o mais distraído dos transeuntes terá ficado indiferente a estes objetos.

Os laços amarelos servem para simbolizar solidariedade com os políticos que foram detidos por ter ajudado a organizar o referendo sobre a independência da Catalunha que se realizou em outubro do ano passado, à revelia das indicações do governo central, na altura chefiado por Mariano Rajoy. Foi, aliás, na sequência dessa vaga de detenções que Carles Puigdemont, ex-líder da Generalitat, saiu de Espanha e pediu asilo à Bélgica, onde está atualmente.

Houve um aumento deste tipo de manifestação nas últimas semanas, depois de o movimento “España Ciudadana”, associada ao Ciudadanos, ter lançado uma campanha para que se retirassem da via pública todos os símbolos independentistas. Em resposta, vários cidadãos que estão a favor da independência começaram a colocar laços amarelos na via pública, aumentado de forma significativa o número de manifestações deste tipo.

Quanto mais laços amarelos se colocavam nas ruas maior dimensão tinham os grupos que se organizavam para os retirar. Um autêntico ping-pong de reações que foi crescendo em número e em mediatismo. Com as primeiras grandes ações, surgiram as primeiras polémicas.

A mais recente aconteceu no sábado, quando um casal retirava laços amarelos da via pública de Barcelona. Um homem assistia à cena de longe e decidiu aproximar-se para os confrontar. Homem e mulher tentaram explicar as suas intenções mas a discussão foi subindo de tom e a mulher acabou por ser agredida, fraturando o nariz. O seu marido, militante do Ciudadanos, não saiu ferido do confronto.

Já a 17 de agosto, os Mossos d’Esquadra – a polícia municipal catalã – identificou um grupo de 14 pessoas que estava a retirar os laços amarelos das ruas de Tarragona, uma atitude que alguns especialistas consideram ter ultrapassado as competências daquela força de segurança. Anteriormente, a 22 de julho, em Vic, uma localidade de Barcelona, um carro entrou na praza principal para destruir uma derrubar um aglomerado de laços amarelos.

Já esta terça-feira, Albert Rivera e Inés Arrimadas, líder do Ciudadanos – Catalunha, juntaram-se a uma ação de retirada de laços na região de Maresme, na Catalunha. A própria Inês Arrimadas partilhou nas redes um vídeo dessa ação.

O caso tem atraído cada vez mais atenção por parte dos principais políticos de Espanha. A atenção que os liberais espanhóis têm dedicado a este tema já motivou reações dos principais adversários políticos, que acabar<m por mediatizar ainda mais o caso.

Pablo Echenique, uma das mais mediáticas figuras do Podemos, recorreu à ironia para provocar o partido liberal. “Ainda bem que o principal problema de Espanha é pôr e retirar laços”, já que se fosse para falar “do desemprego” ou das “faturas da eletricidade” o partido de Rivera “não serviria para nada”, escreveu.

A polémica em torno dos laços amarelos começou em ponto pequeno e já se tornou num caso nacional que a cada dia conhece novos episódios como quando distribuíram cruzes amarelas numa praia em representação dos polémicos laços independentistas.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jmozos@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)