Transportes

Mytaxi escolhe Lisboa para arrancar com projeto piloto de trotinetes elétricas

A empresa líder europeia em serviços digitais de reserva de táxis escolheu Lisboa para ser a primeira cidade a receber o projeto piloto de trotinetes elétricas (as HIVE), que anunciou em outubro.

Para já, estarão disponíveis 120 trotinetes na capital portuguesa, mas nos próximos tempos o número vai chegar às 400

Mytaxi

A pista já tinha sido dada em outubro, quando a Mytaxi, a empresa líder europeia em serviços digitais de reserva de táxis, anunciou que ia lançar “ainda este ano” na Europa um projeto piloto de trotinetes elétricas. Agora, a empresa anunciou que Lisboa foi a cidade escolhida para ser a primeira capital a receber as HIVE, as trotinetes elétricas que vão testar outra forma de mobilidade. Para já, estarão disponíveis 120 trotinetes na capital portuguesa, mas nos próximos tempos o número vai chegar às 400.

O anúncio foi feito esta terça-feira pelo presidente executivo da Mytaxi, Eckart Diepenhorst, juntamente com Miguel Gaspar, vereador da Mobilidade da Câmara Municipal de Lisboa, e Tiago Ibrahim, responsável pelo projeto em Portugal. A startup passa assim a juntar-se a outras plataformas de mobilidade que já não apostam apenas em carros — como é o caso da Lift, da Uber (com a Jump) e da Taxify (com a Bolt) — e também a plataformas como a Lime e a Bird que criaram um novo mercado na mobilidade através das “E-scooters”.

“Vemos isto como um piloto para o negócio e queremos mesmo garantir que fazemos isto da forma certa. Primeiro temos de aprender a melhor forma de operar isto. Queremos fazer tudo de forma a que a cidade goste de nós”, sublinhou o CEO da Mytaxi durante a apresentação. A escolha de Lisboa, referiu Eckart Diepenhorst, combinou em diversos fatores, mas o maior passou pela “boa ligação à cidade” e pelo diálogo com a Câmara Municipal de Lisboa ao longo dos três meses de desenvolvimento do projeto. Na cidade, estarão 12 pessoas fixas da empresa e o objetivo é chegar “a um público diferente”.

Como negócio, a Mytaxi está muito consciente da sua responsabilidade em relação ao ambiente e às pessoas. Achamos que é a nossa obrigação tornar a mobilidade mais disponível para outras pessoas e ter um impacto social nas cidades onde operamos”, acrescentou o presidente executivo da Mytaxi.

O modo de funcionamento é semelhante ao das plataformas que têm surgido: os utilizadores têm de fazer o download da app. De seguida, surge um mapa com os locais onde as hive estão disponíveis, tendo o utilizador que utilizar um QR code para desbloquear o veículo. Há um preço fixo de um euro para desbloquear a trotinete, sendo depois contabilizados 0,15 cêntimos por cada minuto de utilização. No final da viagem, surge no ecrã o resumo com o tempo de utilização e o preço que foi cobrado.

O aluguer das trotinetes da hive já está disponível através da app

“Só quando a cidade gosta de nós é que temos um negócio”

Além de facilitar a deslocação, o objetivo desta aposta da Mytaxi serve também para explorar a conjugação do serviço de táxis com o serviço de trotinetes elétricas. Se a experiência em Lisboa funcionar, a empresa poderá expandir este novo serviço para outros mercados já no próximo ano. Para já, o foco é também fazer com que “no próximo ano toda a energia utilizada para recarregar as scooters vai ser 100% renovável”, acrescentou o presidente executivo.

Sobre a segurança, os responsáveis reafirmaram a importância do uso do capacete que, em breve, serão disponibilizados pela empresa. “É a nossa obrigação utilizar a app para comunicar com o cliente e também para o educar. Isto não é apenas um chapéu bonito. Toda a gente tem de saber que é obrigatório utilizar os capacetes. Se os utilizadores não agirem de forma segura e se não encorajarmos a agir de forma segura, então isto não vai ser uma forma de mobilidade divertida e sustentável”, reforçou Eckart Diepenhorst.

Queremos ter a certeza que cooperamos com a cidade de Lisboa, porque só quando a cidade gosta de nós e as pessoas de Lisboa gostam de nós é que temos um negócio”, referiu Eckart Diepenhorst durante a apresentação das hive.

Tiago Ibrahim alertou ainda para as regras de estacionamento destas trotinetes: é necessário “ter a certeza que ficam fora das ciclovias e dos ciclos pedestres”. Em Lisboa, há cerca de 60 hotspots distribuídos pela cidade, confirmou Miguel Gaspar.

Criada com o objetivo de ser uma app para ligar táxis e passageiros, a Mytaxi nasceu em 2009 e já está disponível em mais de 150 cidades europeias, tendo já mais de 100 mil motoristas e 10 milhões de passageiros que utilizam a aplicação para chamar táxis. Em Portugal, a empresa está presente em Lisboa e no Porto.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)