O cardeal australiano George Pell, antigo ministro da Economia do Vaticano, foi esta semana considerado culpado pela justiça australiana por crimes de abuso sexual de menores, avança a imprensa internacional especializada em assuntos religiosos. A notícia está a ser divulgada por meios de comunicação como o Crux ou a Catholic News Agency, depois de os jornais australianos terem sido impedidos de noticiar o julgamento.

Segundo o Crux, o cardeal — que era uma dos mais importantes figuras do Vaticano até ser implicado neste caso — foi considerado culpado por um júri do tribunal de Melbourne, por unanimidade, por cinco acusações de abusos sexuais contra dois menores ocorridos em 1996. O veredicto terá sido anunciado na terça-feira, mas só hoje foi tornado público através de informações divulgadas por fontes conhecedoras do processo à imprensa. A sentença será lida em fevereiro do próximo ano e tudo indica que o cardeal deverá enfrentar uma pena de prisão logo a partir desse momento.

Abusos sexuais. Julgamento do cardeal George Pell começa esta segunda-feira

O cardeal George Pell, hoje com 77 anos, foi nomeado em 2014 pelo Papa Francisco para o cargo de prefeito da Secretaria para a Economia do Vaticano, com o objetivo de conduzir a reforma económica da cúpula da Igreja Católica e limpar a imagem de uma instituição marcada pelos escândalos financeiros dos últimos anos. Pell era, até esta semana, um dos membros do poderoso C9, o restrito conselho de consultores do Papa Francisco.

Porém, em junho do ano passado, o cardeal australiano foi formalmente acusado pelas autoridades australianas por ter cometido crimes sexuais. A investigação que se sucedeu viria a revelar mais crimes, nomeadamente os cometidos contra aqueles dois menores na década de 90. Na sequência da acusação, Pell deixou temporariamente as suas funções em Roma e regressou à Austrália para se defender em tribunal.

Em 2017, o cardeal Pell deu uma entrevista ao Observador na qual negou as acusações de que era alvo — não só as que recaíam sobre si próprio, mas também as de que teria ocultado abusos cometidos por padres da sua diocese.

Esta quarta-feira, o Papa Francisco anunciou a dispensa de três cardeais do C9, incluindo George Pell. Porém, a justificação oficial comum a todos os dispensados é a idade avançada dos cardeais — embora dois deles, Pell e Javier Errázuriz, estejam envolvidos em casos relacionados com abuso sexual de menores nos seus países de origem.

Papa Francisco afasta do seu núcleo duro dois cardeais envolvidos em escândalo de pedofilia

Entretanto, na Austrália, os jornais queixam-se de censura e criticam a justiça por ter impedido a publicação de notícias sobre o julgamento do cardeal George Pell, um dos processos mais mediáticos neste momento naquele país. O Vaticano também não comentou, até este momento, as notícias, dizendo respeitar a decisão do tribunal australiano.