Começa esta segunda-feira o julgamento do cardeal George Pell acusado de crimes de abuso sexual de menores. Aquela que é a terceira figura mais importante da Secretaria da Economia do Vaticano apareceu neste dia no tribunal de Melbourne, Austrália, para a audiência que vai decorrer durante quatro semanas.

Pell — que se afastou do cargo de assessor do Papa Francisco para responder às acusações — chegou ao tribunal de carro, acompanhado por elementos da polícia e por um dos seus advogados, Paul Galbally, tendo permanecido em silêncio até entrar na sala, escreve a Time.

Cardeal Pell: “Se eu me visse como um verdadeiro embaraço para o Papa, parava amanhã”

Com 76 anos, o cardeal vai continuar a negar todas as acusações, disse o seu advogado, tal como já tinha negado em entrevista ao Observador, em 2017, quando admitiu também que tinha cometido “enormes erros” ao deixar que milhares de crianças fossem molestadas e violadas por padres. Na sexta-feira, o promotor de justiça retirou uma das acusações de que era alvo, depois de uma das vítimas ter morrido o ano passado.

A audiência começa por ser aberta ao público, mas decorrerá depois, durante duas semanas, à porta fechada à medida que as vítimas começarem a testemunhar, conforme está previsto na lei. Ao fim de quatro longas semanas, a magistrada Belinda Wallington vai decidir se há provas suficientes para que George Pell seja julgado no Tribunal do Condado de Victoria.

Os detalhes sobre as alegadas acusações não foram revelados e sabe-se apenas que há vários queixosos. É esperado que durante a audiência sejam ouvidas cerca de 50 pessoas, escreve o site australiano ABC.

Cardeal George Pell, ‘número três’ do Vaticano, acusado de abuso sexual de menores