Presidente Marcelo

Presidente da República elogia proposta do BE para avaliação do impacto da legislação na pobreza

132

O Presidente da República elogiou a proposta da coordenadora do BE para que se faça uma avaliação ao impacto que a nova legislação terá no combate à pobreza, dizendo que é "uma proposta a estudar".

MIGUEL A. LOPES/LUSA

O Presidente da República elogiou este sábado a proposta da coordenadora do Bloco de Esquerda (BE) para que se faça uma avaliação ao impacto que a nova legislação terá no combate à pobreza, dizendo que é “uma proposta a estudar”.

Marcelo Rebelo de Sousa fez estas declarações numa visita a vários locais da capital, onde se encontram pessoas em situação de sem-abrigo.

O Presidente disse ter ouvido a proposta de Catarina Martins “na rádio” e ter ficado “sensibilizado para ela”.

“É uma proposta a estudar no parlamento, mas também por todos nós”, afirmou.

A coordenadora nacional do BE, Catarina Martins, afirmou hoje, no Porto, que vai levar ao parlamento uma proposta para que toda a legislação que é feita de novo seja avaliada do ponto de vista do impacto que tem no combate à pobreza.

O objetivo é perceber se a legislação “vai aumentar a pobreza ou vai ajudar a erradicar a pobreza, vai combater a desigualdade ou vai aprofundar a desigualdade”, disse Catarina Martins.

A dirigente do BE falava no final de uma visita ao Centro de Acolhimento de Emergência de pessoas em situação de sem-abrigo, a funcionar nas antigas instalações do Hospital Joaquim Urbano, no Porto.

“É uma medida que obriga toda a legislação que é feita de novo, ou seja, sempre que há uma alteração legislativa, é necessário que quem propõe apresente o impacto que vai ter na pobreza”, sublinhou.

Segundo explicou aos jornalistas, esta “não é uma ideia do Bloco de Esquerda, foi uma ideia lançada pela Rede Europeia Anti-Pobreza”.

“É este o desafio que deixamos a todos os partidos. Precisamos de dar passos decididos no combate à pobreza, que tem múltiplos fatores, que devem ser avaliados na legislação toda, do trabalho, à saúde, à habitação e à segurança social”, afirmou.

Na visita, o Presidente da República comentou também a anunciada contratação pelo Governo de mais 450 enfermeiros.

O Chefe de Estado considerou esta medida positiva, mas escusou pronunciar-se sobre as negociações ainda em curso com os sindicatos.

“É positivo haver um acordo”, disse apenas.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Greve

O povo é quem mais ordena e a CGTP está fora /premium

André Abrantes Amaral

Quando os motoristas de matérias perigosas param o país e não se revêem na CGTP é a própria Concertação Social que está posta em causa, o que revela o quanto a geringonça distorceu esta democracia.

Eleições Espanha 2015

Sombras da guerra civil /premium

Manuel Villaverde Cabral

Não se espera uma nova guerra civil mas não são de afastar enfrentamentos de vários géneros, incluindo físicos, apesar da pertença comum à União Europeia, cujos inimigos em contrapartida rejubilarão!

25 de Abril

O Governo Ensombrado vai ao circo

Manuel Castelo-Branco
143

Se hoje é possível um programa como o Governo Sombra, foi porque o Copcon de Otelo não vingou. Porque apesar de serem “apenas” 17 vítimas mortais, as FP25 foram desmanteladas e os seus membros presos.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)