437kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Casillas continua sem ganhar em Alvalade mas fez a melhor defesa do clássico em versão matiné

Este artigo tem mais de 3 anos

Iker Casillas fez a defesa mais vistosa do clássico, a remate de Gudelj, mas continua sem conseguir ganhar em Alvalade. O guarda-redes de 37 anos garante que a equipa volta "triste" para o Porto.

Iker Casillas ultrapassou um período menos feliz no início de 2017/18 e é agora o titular indiscutível da baliza do FC Porto
i

Iker Casillas ultrapassou um período menos feliz no início de 2017/18 e é agora o titular indiscutível da baliza do FC Porto

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

Iker Casillas ultrapassou um período menos feliz no início de 2017/18 e é agora o titular indiscutível da baliza do FC Porto

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Iker Casillas chegou ao FC Porto no verão de 2015/16. De lá para cá, conquistou um Campeonato e uma Supertaça Cândido de Oliveira e ganhou em todos os estádios adversários menos um: Alvalade. Este sábado, num clássico em versão matiné que levou mais de 45 mil pessoas à bola, o guarda-redes espanhol não sofreu golos mas também não ganhou e continua sem vencer no recinto verde e branco, o único de onde nunca saiu a sorrir e com os três pontos no bolso.

O clássico que se pode explicar com os fenómenos atípicos fora dele (a crónica do Sporting-FC Porto)

Ainda assim, Casillas desceu aos balneários de Alvalade no final dos 90 minutos com a certeza de que fez as defesas mais vistosas da tarde, depois de um grande remate de muito longe de Gudelj e um tiro de Bruno Fernandes a partir do vértice da área, que só pararam nas luvas do espanhol. No final do jogo, enquanto representante do FC Porto na flash interview, o guarda-redes garantiu que foi “um jogo difícil” e que a equipa vai “triste” para casa. “Foi um jogo difícil para ambas as equipas. Na primeira parte houve muito respeito mútuo, no segundo tempo o FC Porto foi mais forte, teve mais bola, tivemos alguns contra ataques no final em que podíamos marcar. Eles também tiveram ocasiões, mas ninguém conseguiu marcar”, explicou Casillas, que leva já mais de 130 jogos para todas as competições com a camisola azul e branca.

O guarda-redes tem sido um dos principais responsáveis pela série vitoriosa do FC Porto – que terminou este sábado com o empate em Alvalade, igualando a marca de 18 vitórias consecutivas de Jorge Jesus em 2010/11 – e garantiu a equipa já não está habituada a perder pontos. “Viemos aqui com a intenção de ganhar e conquistar mais três pontos. Vínhamos de uma série de muitas vitórias, hoje não conseguimos prolongá-la e vamos tristes para o Porto porque queríamos ganhar. Saímos com um amargo de boca. Estamos habituados a conquistar os três pontos, hoje só conseguimos um”, desabafou o espanhol, que revelou ainda que não considera que o Sporting esteja desde já afastado do título.

Depois de um período conturbado em 2017/18, altura da chegada de Sérgio Conceição ao comando técnico dos dragões – onde perdeu a titularidade para José Sá, naquela que foi defendida como uma “opção técnica” do treinador –, Casillas assentou arraiais enquanto dono da baliza do FC Porto e é atualmente, mais do que um líder dentro das quatro linhas, uma voz da experiência dentro do balneário. Ainda assim, e já depois de se tornar o jogador com mais jogos na Liga dos Campeões, o único a participar em 20 edições e apenas o segundo a alcançar 100 vitórias na Champions, o guarda-redes admitiu que regressaria ao Real Madrid se fosse chamado pelos merengues.

Iker Casillas nunca é um homem 100 objetivos. “Bom, bonito, mas deixa-me um pouco triste”, ironizou

“Se a Seleção me chamasse voltava? Encantado. Se o Real Madrid me chamasse voltava? Claro, não posso esquecer o sítio onde me criei”, disse em entrevista ao programa “Universo Valdano”, apresentado pelo ex-jogador argentino Jorge Valdano, no início do passado mês de dezembro. A verdade é que, aos 35 anos e quando todos achavam que vinha cumprir uma pré-reforma competitiva no FC Porto, Iker Casillas é titular indiscutível nas principais competições internas e europeias, não fala no final da carreira e tem sido constantemente invocado pelos meios de comunicação e pelos mais importantes opinion makers espanhóis, que pedem o regresso do guarda-redes à seleção espanhola – face às exibições pouco conseguidas de David De Gea em representação da La Roja.

“Se o Real Madrid me chamasse voltava? Claro”. Iker Casillas não coloca de lado o regresso a Espanha

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.